segunda-feira, 1 de Outubro de 2012 10:34h Gazeta do Oeste

Liberdade para goleiro Bruno é negada pelo STF

Segundo investigações da Polícia Civil, Eliza Samudio foi morta no dia 4 de junho de 2010 e teve seu corpo esquartejado. No entanto, os restos mortais ainda não foram encontrados.

 Mais um habeas corpus foi negado a Bruno Fernandes das Dores de Souza, o goleiro Bruno. O pedido foi negado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Na decisão, despachada na última sexta-feira (28), o ministro Joaquim Barbosa afirmou que a nova solicitação do advogado do atleta, Rui Pimenta, não acrescenta novidades em relação à petição inicial.

 

A decisão não é definitiva, já que é é referente à negativa da petição de concessão de liminar.

 

Bruno está preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

 

Entenda o caso

 

Bruno Fernandes está preso há mais de dois anos e é acusado de participar do desaparecimento e morte de Eliza Samudio. Além do goleiro, estão presos o braço direito do jogador, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, Marcos Aparecido dos Santos, o Bola. Eles respondem pelo crime de homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver.

 

Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, ex-mulher do atleta; Wemerson Marques de Souza, o Coxinha; Elenílson Vítor da Silva, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do jogador, respondem pelos crimes de sequestro e cárcere privado. Eles esperam em liberdade pelo julgamento, que ainda não tem data marcada.

 

Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes, réu e testemunha chave no caso, foi assassinado com seis tiros no dia 22 de agosto deste ano, no bairro Minaslândia, na região Norte de Belo Horizonte. Conforme a Corregedoria Geral da Polícia Civil, o crime não teria relação com a morte e desaparecimento de Eliza. O primo do goleiro também respondia por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado.

 

Segundo investigações da Polícia Civil, Eliza Samudio foi morta no dia 4 de junho de 2010 e teve seu corpo esquartejado. No entanto, os restos mortais ainda não foram encontrados.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

O TEMPO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.