terça-feira, 9 de Agosto de 2011 10:06h Natalia Santos

Locomotiva atinge veículo e FCA alega que motorista avançou sinalização

O motorista de um Palio levou um grande susto neste sábado, 06 de agosto, ao ser atingido e arrastado durante vários metros por uma locomotiva, em Divinópolis. A colisão ocorreu na região do Porto Velho, e as informações indicam que a cancela não teria funcionado. Por sorte, ninguém ficou ferido.



De acordo com a Polícia Militar, o motorista do carro e os passageiros disseram que a cancela e o semáforo, que fazem a sinalização no cruzamento de uma via com a linha férrea, não funcionou no momento em que ele passava. Eles alegam que a cancela estava aberta e o sinal desativado, por isso seguiram sem parar, sendo atingidos em cheio pela locomotiva. A PM ainda apurou que o maquinista acionou o sino, mas não pode ligar a buzina devido o horário.

 

O acidente foi no cruzamento da linha férrea, entre as ruas Mateus Leme e Francisco de Almeida, entre uma elevação de nível. De acordo com o motorista, ele não teria visto a composição porque a cancela que controla o trânsito não funcionou e nenhum alarme de segurança teria sido acionado. O plantonista afirma que realizou todos os procedimentos de segurança, inclusive finalizou a operação com a bandeira indicando a passagem da locomotiva.

 

Ainda de acordo com a PM, após o acidente, responsáveis pela Ferrovia Centro-Atlântica, que faz a manutenção e sinalização do trecho, estiveram no local e desmentiram a declaração das vítimas, informando que todo o procedimento de sinalização funcionava normalmente. Funcionários da Ferrovia Centro Atlântica (FCA) ajudaram a controlar o trânsito. O veículo foi removido por um guincho.

 

A assessoria de comunicação da FCA informou que o canceleiro estava no local e fez a sinalização e todos os procedimentos de segurança. Ainda segundo a empresa, o motorista teria desrespeitado o impedimento e ultrapassado os carros que já estavam parados. O trem estava a nove quilômetros por hora, velocidade considerada baixa e, normalmente, usada nos perímetros urbanos. O laudo com as investigações deve sair em 30 dias.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.