terça-feira, 14 de Agosto de 2012 15:56h

Mais de 40 mil armas apreendidas em Minas serão destruídas pelo Exército

Pelo menos 42 mil armas guardadas nos fóruns de Belo Horizonte, de municípios da Região Metropolitana e do interior do Estado serão destruídas pelo Exército. A recomendação é do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para evitar o roubo pelo crime organizado.

O CNJ defende que seja dado fim a drogas, armas e outras provas anexadas a processos assim que for realizada a perícia ou o recolhimento de peça que sirva como prova. Na maioria das vezes, o material apreendido fica guardado por até cinco anos, prazo para a conclusão de alguns processos.

Representantes do Exército Brasileiro, da Polícia Federal e do Tribunal de Justiça de Minas Gerais terão reunião hoje, em Belo Horizonte, para definir como será feita a destruição de todas as armas guardadas no Estado.

As máquinas caça-níquel apreendidas na capital e em Santa Luzia, na Grande BH, já estão sendo inutilizadas pela polícia antes mesmo da conclusão das ações criminais. Antes, os equipamentos ficavam amontoados em galpões da Justiça, e a espera para a realização da perícia da Polícia Civil chegava a sete meses[/TEXTO]. Os chips e as informações guardadas na memória das máquinas são anexados aos processos do Juizado Criminal das duas cidades.

Em Santa Luzia, a decisão da Justiça de destruir os caça-níqueis foi tomada por falta de espaço no Juizado Criminal do Tribunal de Justiça de Minas no município.

Leia Também

© 2009-2018. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.