quarta-feira, 10 de Dezembro de 2014 09:46h

Mais de 5 mil presos participam do Enem Prisional 2014 em Minas Gerais

Estado é o segundo do país com mais detentos inscritos no exame; provas são realizadas em 111 unidades prisionais mineiras

Com o alto número registrado, Minas é o Estado com mais detentos inscritos no exame, proporcionalmente à população carcerária e com o segundo maior número absoluto do país - atrás apenas de São Paulo, com 13.135 inscritos.

As provas estão sendo realizadas em 111 unidades prisionais. Participam também do Enem 613 detentos das Associações de Proteção e Amparo aos Condenados (Apacs), e 211 jovens em cumprimento de medida socioeducativa.

Em Minas Gerais, o crescimento de inscrições foi de 11,85% em relação ao ano passado, quando 5.265 candidatos fizeram a prova. Em todo o país, 38,1 mil presos realizam o exame em 2014.

O aumento de presos participando do Enem a cada ano revela um crescente interesse da população carcerária em sua qualificação profissional, além de sua recolocação na sociedade, como explica o superintendente de Atendimento ao Preso da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), Helil Bruzadelli. "O Enem prisional é fundamental no processo da qualificação do indivíduo privado de liberdade porque, por meio do exame, eles têm a oportunidade real de serem incluídos no sistema de ensino superior, bem como a concluírem do ensino médio. Então é um resgate real da sua capacidade de qualificação para retornar ao convívio na sociedade."

Apesar de ocorrerem em uma data diferente do Enem Regular, os testes do Enem prisional têm o mesmo nível de dificuldade. No primeiro dia, os candidatos fazem as provas de ciências humanas e suas tecnologias (história, geografia, filosofia e sociologia) e de ciências da natureza e suas tecnologias (química, física e biologia), com duração total de 4 horas e 30 minutos. Já no segundo dia, eles realizam as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias (língua portuguesa, literatura, língua estrangeira, artes, educação física e tecnologias da informação e comunicação), redação e matemática, com duração total de 5 horas e 30 minutos.

Certificação

Do total de inscritos no Enem Prisional, 5.056 tentam a prova com o intuito de obter a certificação do Ensino Médio.

Esse é o objetivo de Clerisvan dos Santos Santana, de 29 anos, que cumpre pena na Penitenciária José Maria Alkimin, em Ribeirão das Neves. Além do diploma, ele busca o ingresso ao ensino superior. "Desde março, quando entrei no sistema prisional e retomei os estudos, tive o incentivo dos professores que nos orientaram e prepararam para a realização da prova. Como venho me preparando todo esse tempo, minha expectativa é boa e acredito que posso ingressar em um curso de direito, que é uma área que me interessa bastante", conta.

A Penitenciária é a com o maior número de inscritos no Estado, 378; seguida do Presídio Antônio Dutra Ladeira, também em Ribeirão das Neves, com 244 inscritos; e do Presídio de São Joaquim de Bicas I, com 198 detentos participando do exame este ano.

As inscrições no Enem PPL foram feitas via internet pelos responsáveis pedagógicos de cada instituição. Eles também são encarregados do acesso aos resultados, da divulgação das informações do exame aos inscritos e do encaminhamento dos candidatos ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e a outros programas voltados para a educação superior.

Educação no Sistema Prisional

Aproximadamente 6.500 presos estudam enquanto cumprem pena no sistema prisional mineiro, o que representa cerca de 29% do total de presos condenados sob a custódia da Suapi. "A cada ano que passa, o Estado avança nas suas politicas públicas voltadas à garantia do direito ao preso ao trabalho e ao estudo. Temos excelentes perspectivas para o crescimento nos próximos anos", destaca Helil Bruzadelli.

Através dos estudos, os detentos conseguem também a redução de pena (a cada 12 horas estudadas, eles têm um dia de remição).

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.