quinta-feira, 27 de Setembro de 2012 12:26h Erik Ulysses

Moradores de residência no bairro Nossa Senhora das Graças dizem tem sofrido abuso de autoridade policial

No final da noite de terça-feira uma festa de aniversário terminou com viaturas da Polícia paradas na porta da casa onde ocorria a comemoração por causa do alto som emitido de lá. De acordo com os moradores do local a PM foi chamada por um vizinho que sofre de transtornos mentais e que já teria tido outros problemas com eles.

 


O problema maior é que os moradores disseram ter sofrido abuso de poder por parte dos policias militares que atenderam a ocorrência. A festa tinha mais ou menos 30 pessoas e acontecia na Rua Frei Leão, bairro Nossa Senhora das Graças. De acordo com Ubirajara Martins o militar já chegou na residência gritando e de forma intempestiva. “O policial na hora que ele chegou aqui, antes de parar a viatura, ele já desceu de porta aberta gritando: ‘Desliga esse som, desliga esse som’. Quando eu abri o portão ele moderou um pouquinho. Ele disse que o som estava incomodando os vizinhos, e eu disse para ele que não eram os vizinhos e sim um louco que mora ali na frente. Mas eu disse para ele que estava tudo bem e que iria abaixar o som. Entrei para dentro para abaixar o som que estava no fundo da casa. Nesse momento ele falou com os convidados que estavam lá fora: ‘Vai demorar?’. Acho que ele achou que o som estava aqui no alpendre, mas ele estava lá no fundo” contou o morador.
Ubirajara disse que a situação piorou no momento em que foi desligar o som. “Quando eu voltei eu perguntei para ele se a altura do som estava boa e ele disse que estava e completou: ‘Eu inclusive disse aqui fora que estava demorando, mas eu não sabia que o imóvel era grande, aí você teve que ir lá no fundo desligar, né?’ Aí eu disse que sim. Mas ele pediu reforço policial, e chegou mais uma viatura, depois outra e deram cinco viaturas aqui. Uma viatura quase entrou aqui dentro. Dizem que eles já chegaram falando: ‘Quantos vocês querem que leva, quantas pessoas vocês querem que leva?’ Então eu já me preocupei em tirar a minha filha, tirar a minha mulher, porque meu filho estava tranqüilo” afirmou.

 

Segundo uma testemunha que participava da festa o reforço foi chamado após o som ser abaixado. O policial disse que era para o som ser desligado e que o barulho ainda incomodava. Então o convidado questionou se o militar teria um aparelho para medir o volume emitido pelo som e o policial resolveu chamar reforços.

 

Para a esposa de Ubirajara, Rosa Martins o maior problema na forma que foi conduzido o caso foi a vergonha causada pelas viaturas paradas na porta de sua casa.

 

“O problema da Polícia na nossa porta é o constrangimento. Porque você está com a casa cheia de convidados e parar cinco viaturas na sua porta te constrange. Te constrange diante de seus convidados, diante de seus vizinhos. Quem viu deve ter pensado: ‘Ali deve ter arma, drogas..” porque pelo que eu sei e pelo que eu assisto na televisão onde fazem um cerco policial com aquele aparato tem que ter trocas de tiros, drogas, roubo ou assassinato. Ali não tinha brigas, as pessoas estavam conversando e o som ligado. Aqui em Divinópolis eu só vi um aparato desses em um assalto a banco” contou Rosa. 

 

Ubirajara disse ainda que a abordagem poderia ter ocorrido de outra forma. “O cara chega em um bairro próximo ao centro da cidade, ele não procurou primeiro olhar o que estava acontecendo, ele não teve a educação de virar para os donos da casa e falarem: ‘Olha, nós estamos recebendo uma denúncia que tem um som muito alto e tal...’, ele simplesmente foi exigindo. E ele ainda simplesmente pediu reforço.

 

De acordo com o texto do REDS a PM foi acionada a comparecer no endereço informado, para atender uma solicitação de perturbação da tranquilidade e do sossego, isto por volta das 23:h41, onde um morador se sentia perturbado com um som alto vindo da casa de um vizinho. Chegando na casa onde havia o som alto, os militares constataram que ocorria uma festa. Policiais militares fizeram contato com o responsável pela festa, sendo pedido a ele que diminuísse o volume do som, uma vez que estava incomodando outros moradores. Nesse momento, algumas pessoas que participavam da festa começaram a questionar a ação da PM e houve uma demora para diminuir o volume do som.

 


Como havia várias pessoas na festa, e estas ficaram inconformadas com o fim do som, foi solicitado apoio de outras equipes da PM. Após a presença do reforço policial os ânimos se acalmaram, sendo o responsável pela festa orientado a não ligar mais o som.  

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.