quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2016 09:20h Atualizado em 3 de Fevereiro de 2016 às 09:23h.

Mulher é morta 17 dias após presenciar assassinato do marido

Uma mulher, de 33 anos, foi encontrada morta com marcas de tiros na porta de casa, na Rua Das Esmeraldas, no bairro Campo Belo, em Nova Serrana

O crime pode ter sido “queima de arquivo”, já que a vítima foi testemunha do assassinato do marido, que ocorreu no dia 16 de janeiro deste ano, e apontou um possível suspeito.
De acordo com a Polícia Militar, durante a madrugada de ontem, vizinhos ouviram barulho de estampidos e acionaram os militares, que chegaram ao local e encontraram Juliana Gonçalves Torres já sem vida.
A perícia técnica da Polícia Civil foi acionada e constatou que a vítima foi atingida por disparos de arma de fogo no rosto e no ombro. Do lado do corpo dela havia um celular, que foi apreendido. Os policiais ainda recolheram três munições calibre 38 intactas, dois estojos deflagrados e percutidos calibre38, dois estojos deflagrados e percutidos calibre 12, sendo que este último calibre foi o que acertou a vítima.
A Polícia acredita que a morte de Juliana, que não possuía passagens criminais, possa ser “queima de arquivo”. No dia 16 de janeiro deste ano, ela estava com o marido, Leandro Junior de Souza, de 28 anos, em um bar no bairro Frei Ambrósio, quando ele começou a discutir com um homem que tem apelido de “Facção”.
“Facção” pegou o revólver e atirou contra Leandro, que foi atingido três vezes. O resgate do Corpo de Bombeiros foi acionado e levou a vítima para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), com ferimentos na axila e peito. A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu ao dar entrada na unidade de saúde.
Juliana teria contato aos militares quem foi o autor dos disparos e isso pode ter motivado o crime contra ela. O suspeito não foi localizado.

 

 

 

Tentativa de homicídio
No bairro Novo Horizonte, a Polícia Militar registrou uma tentativa de homicídio, também durante a madrugada de ontem. De acordo com a Polícia Militar, a vítima, de 27 anos, contou que estava caminhando pela Rua Caxambu, quando foi abordada por quatro suspeitos. Dois deles chegaram a pé e os outros dois em uma motocicleta.
O garupa da motocicleta sacou uma arma e atirou contra a vítima, que foi atingida na perna. A vítima reconheceu o autor do disparo, que é conhecido como “Vá”. Os quatro fugiram após o crime e a vítima conseguiu chegar em casa e pedir socorro.
Ela foi encaminhada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde permanece em observação, mas não corre o risco de morrer. Os suspeitos não foram localizados. A vítima não disse qual poderia ser a motivação do crime.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.