sexta-feira, 26 de Outubro de 2012 04:01h Daniel

Mulher prende filha em casa durante oito dias, no Distrito Federal

Durante oito dias, uma mulher manteve a filha de oito anos presa dentro de um barraco de madeira, em condições insalubres, sem beber água e comendo pão velho, no Distrito Federal. Ela também não tomava banho e ficava em meio a fezes. A mãe não saiu da casa e foi encontrada nua e desidratada por policiais civis da 9ª Delegacia de Polícia (Varjão). Os agentes tiveram de arrombar a porta após serem acionados pelo Conselho Tutelar.

Os policiais encontraram a criança assustada, chorando muito, mas não apresentava quadro grave de saúde. A mulher estava com os lábios secos e vomitando. Os agentes socorreram a criança ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran). A menina tomou banho e se alimentou no Conselho Tutelar do Varjão e foi encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de corpo de delito. Ela não tinha nenhuma agressão aparente.

A criança, que mora com o pai, recebeu autorização para visitar a mãe na semana passada. A menina saiu para comprar pães e, ao retornar, não pôde sair novamente. Segundo a delegada cartorária Ana Paula Thomáz, a mulher apresenta problemas psiquiátricos e já perdeu a guarda dos três filhos por maus tratos. O pai, inclusive, foi quem teria acionado o Conselho Tutelar. "Ela ameaçava com faca os conselheiros e não deixava ninguém entrar. Não podíamos deixar as duas naquelas circunstâncias e a gente não teve outro jeito a não ser arrombar a porta", contou a delegada.

A Polícia Civil aguarda resultado do laudo do IML para saber se a menina sofreu algum tipo de violência e também de uma avaliação psiquiátrica, que determinará se a mãe da criança tem condições de responder criminalmente por maus tratos. Se o documento comprovar algum transtorno mental, a mulher poderá ser internada para tratamento. A criança deverá ficar aos cuidados do pai.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.