segunda-feira, 10 de Novembro de 2014 11:59h Atualizado em 10 de Novembro de 2014 às 12:15h. Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

No Brasil, seis pessoas são mortas diariamente por policiais, mostra Anuário

As taxas de juros para pessoas físicas e jurídicas aumentaram em outubro. O resultado, no entanto, ainda não reflete a alta da taxa básica de juros (Selic), de 11% para 11,25% ao ano, anunciada no último dia 29 pelo Comitê de Política Monetária (Copom)

Os dados, divulgados hoje (10), são da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma elevação de 0,33 ponto percentual em outubro, passando 6,06% ao mês (102,59% ao ano) em setembro para 6,08% ao mês (103,05% ao ano) em outubro. Das seis linhas de crédito pesquisadas para pessoa física, uma se manteve estável (cartão de crédito rotativo) e cinco tiveram suas taxas de juros elevadas (juros do comércio, cheque especial, financiamento de automóveis, empréstimo pessoal feito por bancos e empréstimo pessoal feito por financeiras).

A taxa de juros média para empresas apresentou uma elevação de 0,01 ponto percentual no mês (0,17 ponto percentual em doze meses) passando de 3,43% ao mês (49,89% ao ano), em setembro para 3,44% ao mês (50,06% ao ano), em outubro.

Das três linhas de crédito pesquisadas para pessoas físicas, duas tiveram suas taxas de juros reduzidas no mês (desconto de duplicatas e conta garantida) e uma teve sua taxa de juros elevada (capital de giro).

“Tendo em vista o Banco Central ter elevado a taxa básica de juros (Selic) em sua última reunião, bem como a tendência de termos novas elevações da mesma, é provável que as taxas de juros das operações de crédito voltem a ser elevadas nos próximos meses”, destacou a Anefac em nota.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.