quinta-feira, 31 de Março de 2016 12:07h Polícia Civil de Minas Gerais

Ocorrência envolvendo policiais no Centro de Belo Horizonte

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) lamenta os fatos ocorridos nessa quarta-feira (30) quando um investigador da Polícia Civil, lotado no Departamento Estadual de Combate ao Narcotráfico (Denarc)

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) lamenta os fatos ocorridos nessa quarta-feira (30) quando um investigador da Polícia Civil, lotado no Departamento Estadual de Combate ao Narcotráfico (Denarc), foi arbitrariamente abordado por policiais militares na região Central de Belo Horizonte.  No decorrer da abordagem, houve uma luta corporal entre dois militares e o policial civil, momento em que houve um disparo de arma de fogo que atingiu um pedestre que passava pelo local.

Segundo o delegado que realizou a oitiva, os militares alegaram que estavam rastreando um aparelho celular roubado, o que os teria levado até um grupo próximo ao terminal e, quando chegaram ao local apontado, o policial civil não se identificou de forma correta e, ainda, tentou impedir a abordagem aos suspeitos e, por isso, foi contido. Os policiais militares ainda relatam que foi necessário pedido de reforço e da pistola taser para conter o policial, que estava muito exaltado.

 

 



Por sua vez, o policial civil contou que esperava pelo filho quando os militares iniciaram a abordagem “de forma truculenta”.  O investigador contou que se apresentou como policial lotado no Denarc e explicou que estava acompanhado do filho adolescente e de um amigo.  As testemunhas encaminhadas pelos policiais militares à Central de Flagrante II ratificam as informações do policial civil, versão também confirmada pelas imagens registradas por transeuntes.
Após a confusão, foram expedidas guias de corpo de delito para o policial civil, para um policial militar e duas vítimas. A arma do policial civil foi apreendida e encaminhada a exame pericial. As conjunturas em que o disparo ocorreu também serão investigadas.

O caso esta sendo acompanhado pelas corregedorias das instituições e um inquérito policial foi instaurado para esclarecer os fatos.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.