quarta-feira, 18 de Julho de 2012 15:40h Camila Caetano

Oficinas são oferecidas no presídio Floramar como forma de ressocialização

O Estado de Minas Gerais já conta com o maior número de presos que trabalham quando comparado com a quantidade de carcerários, totalizando 12 mil, sendo que 6.132 detentos ainda estudam durante o cumprimento da pena. O Governo do Estado tenta investir nesses programas de ressocialização, os quais facilitam a reinserção de ex-detentos no mercado de trabalho.

 


Em Divinópolis, o Diretor Geral do presídio Floramar, Zuley Jacinto de Souza, afirma que as atividades com os prisioneiros da Unidade são realizadas todos os dias, das 08h às 15:30, “nós temos três oficinas, de corte e costura, que confecciona material de uso de presos de todo o Estado de Minas Gerais. Também há presos que trabalham em parceria com empresas privadas, em construção civil. E nós ainda apresentamos diversos outros presos trabalhando em alguns lugares aqui da cidade, com autorização judicial”, declara o Diretor Geral do Floramar.

 


Zuley Jacinto ainda relata que o preso em condição de trabalho externo, tem que estar em regime semi-aberto, e ter cumprido algumas exigências para poder usufruir do benefício. São necessários alguns critérios, assim, o detento passa por uma Comissão técnica de classificação, a qual avalia a sua condição psicossocial, para que possa iniciar o trabalho. “A avaliação é encaminhada para o juiz, o qual faz a liberação, já o trabalho interno é diferente, só depende obviamente da Comissão de classificação, que avalia esse preso como apto ou não”, complementa Zuley Jacinto. A cada dia trabalhado o preso tem um dia remido na sua pena, além da aprendizagem que é adquirida, tornando-o hábil para desenvolver diversas atividades.

 


Além disso, neste ano, estão previstas 625 vagas para as Associações de Proteção e Assistência aos Condenados (Apacs) em Minas, e a abertura do concurso público para agentes penitenciários e socioeducativos. “Tenho a informação através da Secretaria do Estado de Defesa Social, que haverá a abertura de um concurso público, cerca de três mil vagas, este ano. Mas, será seu anúncio não foi citado, ainda não há uma data prevista”, comenta Zuley Jacinto.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.