sábado, 15 de Março de 2014 06:41h Atualizado em 15 de Março de 2014 às 06:45h. Luiz Felipe Enes

Operação da Polícia Federal prende líder de quadrilha especializada em clonagem de cartões

Os materiais estavam em uma casa de jogos no centro de Divinópolis; materiais usados em jogo de azar também foram encontrados no local.

Um esquema de clonagem de cartões de crédito, investigado pela Polícia Federal de São Paulo, foi descoberto em Divinópolis na manhã dessa sexta-feira (14). Um homem de 48 anos foi preso durante o mandando de busca e prisão em uma casa de jogos no Centro. Agentes da PF localizaram dispositivos usados na coleta de informações dos cartões, além de vários produtos usados na prática de jogos de azar. 
As investigações tiveram início no estado de São Paulo. Uma quadrilha especializada em clonar cartões de crédito havia montado uma estrutura para conseguir os dados de clientes bancários. Usando uma espécie de ferramenta instalada no leitor de cartões do caixa eletrônico, criminosos copiavam todas as informações existentes. O dispositivo fazia a leitura do cartão, mas ficava preso junto ao equipamento. 
Para retirar o cartão da leitora, o cliente fazia uma ligação para um número de telefone exibido no caixa eletrônico. Quem fazia o telefonema era direcionado a uma suposta central de atendimento. De acordo com a Polícia Federal, uma pessoa se passando por atendente solicitava dados cadastrais às vítimas, como senha bancária e CPF. Assim que conseguiam os dados, criminosos que atuavam na central fantasma liberavam o cartão do cliente.

 

A CLONAGEM
Com todas as informações do cartão em mãos, como a senha e identificação pessoal, a quadrilha utilizava outro cartão em branco, em que os dados eram clonados. Após isso, criminosos tinham livre acesso às contas e também realizavam movimentações bancárias. O Delegado da Polícia Federal, Daniel Souza Silva explica que as centrais das agências bancárias nunca pedem senha ao cliente pelo telefone. “É importante alertar a população a não informar, pois os bancos jamais pedem a senha via contato telefônico”, orienta.

 

BUSCA E PRISÃO
No segundo andar do imóvel, situado na rua São Paulo, Centro de Divinópolis, funcionava também uma casa de jogos. Um verdadeiro aparato de segurança existia no local. Um monitor na sala da casa exibia em tempo real toda a movimentação da rua, por onde os frequentadores observavam quem chegava e quem saia. Mas desta vez as câmeras em nada ajudaram.
Agentes da Polícia Federal entraram na casa escalando a janela. O dono do local, suspeito de envolvimento no esquema foi preso em flagrante. Além dos equipamentos que recolhiam as informações bancárias, materiais usados na prática de jogos de azar também foram encontrados na casa durante a operação.
Um segundo suspeito, que mora no bairro Quintino não estava no local na hora da prisão. A Polícia Federal ainda disse que foi emitido um mandado de prisão contra ele que ainda não foi encontrado. Todo o material localizado na casa foi apreendido e encaminhado à delegacia de Polícia Federal em Divinópolis.
“A localização dos produtos utilizados no jogo de azar configura um crime à parte, porém, mesmo assim será feito um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) em relação à casa de jogos, o que é considerado contravenção penal”, comenta o delegado Daniel. O proprietário do imóvel foi preso em flagrante e também levado à delegacia da PF.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.