quinta-feira, 7 de Julho de 2016 17:24h Polícia Civil de Minas Gerais

Operação desarticula gangues envolvidas com homicídios e tráfico na região Leste da capital

Cerca de 150 policiais civis, com apoio do Canil e do Núcleo de Operações Aéreas da Polícia Civil, participaram, na manhã desta quinta-feira (7)

Cerca de 150 policiais civis, com apoio do Canil e do Núcleo de Operações Aéreas da Polícia Civil, participaram, na manhã desta quinta-feira (7), da operação Paz no Morro, visando a desarticulação de duas organizações criminosas envolvidas com homicídios e com o tráfico de drogas no bairro Alto Vera Cruz, região Leste da capital. Durante a ação, foram cumpridos cinco mandados de prisão, além de serem apreendidos 233 buchas de maconha, 29 pinos de cocaína e vários invólucros utilizados para embalagem de drogas.
 

Luiz Felipe dos Santos, de 18 anos, e Patrick Renan Alves da Silva, de 19, foram presos pelo assassinato de Rogério Gomes da Silva, de 20. O mandado contra Diego Cesar Moreira Alves, de 21 anos, também suspeito de participar do homicídio, foi cumprido dentro do presídio, visto que ele já estava recluso por outro crime.
 

Já Bruno Fernandes da Silva Klem e Ítalo Ananias Gonçalves, ambos de 22 anos, foram presos pelo homicídio de Diogo Henrique Ferreira de Araújo, de 23. Outros três suspeitos de participarem do crime, Marcelo dos Santos, de 22; Gilbert França Coutinho, de 24 e Elias Santana Barbosa, de 41, (considerado líder de uma das gangues investigada), continuam foragidos. Qualquer informação sobre o paradeiro dos suspeitos pode ser comunicada à Polícia Civil pelo telefone 197, ou pelo Disque Denúncia 181, de forma anônima.
 

Conforme explicou o delegado Felipe Forjaz, que coordenou as investigações, duas gangues rivais, que agiam na região alvo da ação, resolveram firmar um acordo de paz e já tendiam a uma união, aumentando ainda mais o grau de periculosidade desses grupos.
 

O delegado Luiz Flávio Cortat ressaltou a participação da nova turma de investigadores, que estão em treinamento prático, na ação da Polícia Civil desencadeada esta manhã. Para Cortat, “o reforço nas delegacias, com a chegada destes policiais, já está rendendo frutos para a sociedade, haja vista os resultados da ação desta manhã”.

 

Mortes pelo tráfico
 

No dia 16 de outubro do ano passado, Rogério Gomes foi executado a tiros, em plena luz do dia. A motivação para o crime seria a rivalidade entre gangues que agiam na região. O crime ocorreu antes de as duas organizações criminosas se aliarem. Um dos envolvidos no homicídio, Luiz Felipe, havia completado 18 anos dois dias antes da data do crime. Rogério chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.
 

Já Diogo foi assassinado com três disparos de arma de fogo. A polícia acredita que Ítalo, apontado como executor do homicídio, tenha cometido o crime como forma de iniciação no grupo. Antes de ingressar na gangue, Ítalo era religioso, inclusive já tinha sido pastor em uma igreja. A motivação para o crime seria vingança, visto que a vítima foi vista em companhia de pessoas que pertenciam a um grupo dissidente da gangue a qual pertencia.
 

“Durante o cumprimento do mandado de prisão e das buscas na casa de Ítalo, este foi detido com a posse de significativa quantidade de drogas que seriam destinadas ao tráfico”, acrescentou Forjaz.

 

Fotos: Divulgação PCMG

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.