sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013 04:02h Erik Ullysses

Ossada clandestina é encontrada em cemitério de Divinópolis

A ossada foi encontrada fora do caixão, de bruços e sem camisa quando uma família foi enterrar um parente no túmulo

Uma ossada foi encontrada enterrada irregularmente no cemitério Parque da Colina, bairro Jusa Fonseca, na manhã de ontem. O corpo foi encontrado em um túmulo enterrado de bruços e fora de caixão. Para completar, no local era para estarem dois corpos e havia três. A Polícia Militar e a perícia foram acionadas ao local.
O cabo Nelson Francisco explicou que os proprietários do túmulo iriam enterrar um parente na manhã de ontem , porém quando os coveiros abriram a sepultura encontram a ossada que não deveria estar ali. “Houve o falecimento de um ente querido dos proprietários deste túmulo. Eles iriam enterrar na data de hoje, contudo na hora em que foram realizar os trabalhos, descobriram que haviam três ossadas. Uma situação inusitada, tendo em vista que só há registro de duas pessoas enterradas no local. Foi acionada a Polícia Militar que compareceu ao local juntamente com o perito e constatou o fato. Foi feita a perícia, retirada a ossada e encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) para os futuros trabalhos da parte pericial” afirmou.
Os livros de registros foram examinados e foi constatado que realmente deveriam haver apenas dois mortos no local. Os proprietários do túmulo também confirmaram que apenas dois membros da família estavam enterrados ali. O cabo Nelson afirmou ainda que a administração só tomou conhecimento da ossada quando a vala foi reaberta na manhã de ontem. “Ninguém estava sabendo de nada. O fato só se deu na hora em que abriram o túmulo e só nesse momento se tornou de conhecimento deles. O último sepultamento no túmulo foi em 2005, então de 2005 para cá vai ter que ser investigado e verificar qual foi a situação de aparecer esse corpo aqui na cova” contou.
Um dos coveiros que encontraram a ossada, Deusdete Rodrigues, contou que foi a primeira vez que viu algo dessa forma. Para ele o corpo foi enterrado na vala há cerca de quatro anos.
O secretário da Empresa Municipal de obras Públicas (EMOP), Simonídes Quadros, afirmou que a secretaria irá esperar as conclusões da Polícia Civil para poder se pronunciar. “A temos nada com certeza, vamos aguardar o pronunciamento da Polícia Civil que recolheu todo o material para ser periciado. Assim que a Polícia se manifestar, para termos a certeza do que aconteceu realmente, também vamos nos manifestar” garantiu o secretário.
Ele disse ainda que tudo leva a crer que o corpo se trata de um enterro clandestino. “Tudo indica que seria um corpo clandestino. Como nossos registros dizem que são dois corpos sepultados nesse túmulo, então tudo indica que tenha alguma irregularidade. Até mesmo pelo fato da forma como foi encontrada a ossada. O corpo sem a urna, então com certeza já não foi feito um sepultamento legal. Por isso precisamos aguardar o pronunciamento da Polícia, até mesmo para sabermos se isso  foi algum sepultamento clandestino. Porém com certeza não tem autorização nenhuma do Serviço Municipal do Luto, até porque dessa forma não é permitido” afirmou.
Simonídes explicou que a segurança do cemitério é feita durante o dia pelos próprios funcionários e durante a noite são realizadas rondas. Porém, durante a noite, por não ser todo iluminado, não é possível fazer uma ronda completa pelo local durante o período inteiro. “Tem uma ronda no cemitério 24 horas, porém é um espaço muito grande. O ronda, por exemplo, ele não tem como circular 100% no cemitério a noite toda, até mesmo porque é um local que não tem a iluminação completa, o cemitério não é todo iluminado. A presença dele maior é no imóvel onde funciona o IML, onde futuramente vão funcionar os velórios, e também na portaria” concluiu.
A ossada foi retirada pelo perito e será encaminhada para Belo Horizonte. A ossada estava apenas com uma calça e sem camisa. De acordo com o perito, serão realizados exames de DNA, dentre outros, para se chegar a algumas características da pessoa, como sexo, idade aproximada, etnia, tamanho e peso. Dessa forma poderá se chegar a identidade da ossada.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.