sábado, 22 de Fevereiro de 2014 06:17h Atualizado em 22 de Fevereiro de 2014 às 08:06h. Carina Lelles

Pai, mãe e filho são presos por tráfico de drogas

Outras oito pessoas foram presas e dois menores apreendidos. Todos eles fazem parte de uma quadrilha que agia em Ermida.

Na madrugada de ontem, a Polícia Civil de Divinópolis, com apoio de outras unidades da região e até mesmo da capital, desencadeou a Operação Terremoto. O objetivo era desarticular uma quadrilha de tráfico de drogas. A meta foi atingida com sucesso e 11 pessoas foram presas e dois menores apreendidos, além de drogas, dinheiro, carros, motos e celulares.
De acordo com o delegado da Polícia Civil, Dr. Marcelo Nunes Júnior, o trabalho de investigação da quadrilha começou em outubro do ano passado. De lá pra cá os membros da quadrilha foram monitorados. O resultado foi a expedição de 10 mandados de prisão e 14 mandados de busca. “O local é muito estratégico, é muito difícil chegar sem que os olheiros alertem a chegada da Polícia. Chegamos durante a madrugada para não dar tempo do alerta dos olheiros e podermos agir. Foi dividido os alvos e todos foram atacados ao mesmo tempo e não deu tempo de fuga. Foi um sucesso e todos os membros da quadrilha foram presos”, comemora o delegado. Além dos 10 mandados de prisão cumpridos, outras três pessoas, dois menores e um maior estavam no local e também foram enquadrados.
Guilherme Henrique dos Santos foi apontado pela Polícia Cicil como o chefe da quadrilha. Ele está entre os presos, assim como o pai e a mãe. “O Guilherme era o cabeça da quadrilha que se chamava Primeiro Comando Pedregal, inclusive com página em rede social. Ele era o chefe e tinha os ‘braços direitos’, os chamados ‘soldados’ que faziam a venda da droga e a vigília onde a droga ficava escondida, principalmente perto do campo”, revela Dr. Marcelo.
Ainda de acordo com o delegado, há indícios de que, além do tráfico de drogas, a quadrilha esteja ligada a homicídios e tentativas de homicídio na cidade, além de porte de arma e lavagem de dinheiro. “Era uma facção criminosa mesmo e muito bem organizada. Estamos monitorando desde outubro e nenhum deles trabalham, todo o dinheiro deles é fruto do tráfico de drogas”.
Foi apreendido com a quadrilha: cinco carros e cinco motos, 10 endolas de crack, seis endolas de maconha e uma endola de cocaína, além de celulares, câmeras de videomonitoramento, uma CPU, material para embalar drogas e cerca de R$ 3 mil em dinheiro. “A apreensão de drogas foi pouca porque eles fazem a venda no local, buscam de fora e levam para o local para vender no dia. Eles não são fornecedores de drogas e sim revendedores, mas mesmo assim achamos”, finaliza Dr. Marcelo.
Foram empenhados 60 policiais civis de Divinópolis e da região (Cláudio, Formiga, Pará de Minas, Itaúna) e do canil da PC de Belo Horizonte.
Entre os presos estavam duas mulheres que, segundo as investigações, eram responsáveis pela venda da droga e também eram olheiras, inclusive uma é mãe do chefe da quadrilha.
De acordo com a Polícia Militar, a família presa por tráfico é irmão, pai e mãe do homem acusado de atropelar e matar um policial militar no ano passado em Divinópolis. Os quatro se encontrarão no presídio Floramar. Os outros presos também foram levados para o presídio e os menores para o Centro Socioeducativo.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.