quinta-feira, 28 de Julho de 2016 13:12h Atualizado em 28 de Julho de 2016 às 13:29h. Carina Lelles

PC apresenta suspeito de atirar contra comerciante no Nossa Senhora das Graças

O jovem e outras duas pessoas foram até uma lanchonete cometer o assalto e um deles atirou, acertando Vera Lúcia dos Santos Pugas, de 44 anos, que morreu ao dar entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA)

POR CARINA LELLES

carina.lelles@gazetaoeste.com.br

 

 

Na tarde de ontem, a Polícia Civil apresentou Aldrik Rocha dos Santos, de 19 anos, suspeito de ter atirado contra a comerciante Vera Lúcia durante um assalto a uma lanchonete no bairro Nossa Senhora das Graças. Thiago Henrique Martins, de 31 anos, também está preso, suspeito de dar fuga aos criminosos. O terceiro suspeito do crime, de 18 anos, está foragido.

De acordo com o delegado Marcelo Nunes, as câmeras do circuito interno de segurança da lanchonete foram fundamentais para a identificação dos suspeitos. No dia do crime, Aldrik usava um cordão com uma medalha e usava o mesmo objeto no dia da prisão, ocorrida na última quinta-feira. “Através da investigação, identificamos possíveis locais em que ele estaria e representamos o pedido de prisão no judiciário. Cercamos a casa no bairro Nações e efetuamos a prisão. Ele está em prisão preventiva e já está no presídio Floramar”, conta.

 

 

Ainda de acordo com o delegado, Aldrik não disse quem eram os comparsas, mas o outro suspeito, que entrou com ele na lanchonete, já foi identificado. “Ele alegou que juntou com os comparsas para cometer o roubo na lanchonete e a arma disparou, que ele não tinha intenção de efetuar o disparo”, ressalta. Em entrevista, o suspeito confirmou à imprensa que “a arma disparou sozinha” e que não tinha a intenção de matar a comerciante.

O outro suspeito de entrar na lanchonete com Aldrik está com o pedido de prisão em aberto e é considerado foragido da justiça. “Temos provas concretas de que ele participou do crime. Está com mandado de prisão em aberto e acreditamos que, nos próximos dias, ele estará preso”, afirma o delegado.

 

 

 

Para cometer o assalto, os criminosos teriam alugado uma arma por R$400. “Logo após o crime, foi devolvida e ele (Aldrik) não disse quem era o dono. A pessoa, após saber que a arma foi utilizada no latrocínio, teria se desfeito do objeto”, revela Marcelo.

 

 

Fuga

Thiago, que possui várias passagens criminais, está preso desde segunda-feira, suspeito de dar fuga aos bandidos após o crime. “Estamos investigando se ele deu fuga imediata aos suspeitos ou se eles chegaram na casa dele e pediram auxílio para se esconder. Vamos saber agora se ele vai responder pelo crime de latrocínio ou pelo crime de favorecimento pessoal. Por qualquer um destes crimes ele vai responder”, destaca Marcelo Nunes.

 

 

Outros suspeitos

De acordo com o delegado regional, Leonardo Pio, nenhum dos seis suspeitos presos pela Polícia Militar, apontados como possíveis suspeitos, tiveram participação no crime. “Não foi constatada nenhuma relação com o latrocínio. O que foi preso com o celular da vítima vai responder por receptação, mas não teve ligação no latrocínio”, ressalta.

 

 

O crime

Dois homens armados e encapuzados entraram na lanchonete, localizada no bairro Nossa Senhora das Graças, em junho deste ano, e um terceiro suspeito ficou do lado de fora, dando cobertura em um carro escuro.

Um dos criminosos foi até o caixa e o outro mandou que os clientes deitassem no chão. Segundo familiares, o marido de Vera Lúcia correu para o banheiro e um dos criminosos foi atrás. Com medo de que o bandido fizesse algo contra o marido, a mulher também se levantou e se dirigiu ao banheiro, quando o outro criminoso atirou e acertou o pescoço dela.

A dupla fugiu com a ajuda do comparsa e Vera foi socorrida e encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não resistiu aos ferimentos.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.