quarta-feira, 14 de Outubro de 2015 10:27h Atualizado em 15 de Outubro de 2015 às 10:55h. Pollyanna Martins

Polícia Civil apresenta dois suspeitos de terem matado casal em Nova Serrana

Um dos suspeitos é filho das vítimas, que foram assassinadas em junho deste ano

A Polícia Civil (PC) apresentou ontem, dois suspeitos de cometerem um duplo homicídio, que ocorreu em junho deste ano, em Nova Serrana. Junio Dias Santos é suspeito de ter mandado matar os pais, Vanilda da Silva Dias, de 43 anos, e Itamar Lopes dos Santos, de 40 anos. O casal foi encontrado morto dentro de uma caminhonete, na comunidade rural de Areias, no município. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Felipe Freitas, o filho do casal confessou ter contratado dois homens para matar os pais e assim, ficar com a herança.
O rapaz revelou ainda, que queria ficar com a casa, o sítio, a fábrica de calçados e parte da previdência privada dos pais. O plano era matar os pais no dia em que eles fossem para o sítio da família. O irmão mais novo do suspeito também iria para o local com os pais, mas desistiu. O jovem confessou que a intenção era matar o irmão para não ter que dividir a herança. A Polícia apresentou também um dos suspeitos de ter matado o casal. O homem iria receber R$ 30 mil pelo crime. Há ainda um terceiro envolvido, mas ele está foragido.
Inicialmente, o crime foi investigado como latrocínio – roubo seguido de morte –, pois Vanilda estava com R$ 4 mil no momento do assassinato, e este valor não foi encontrado na caminhonete. A linha de investigação mudou após um dos criminosos começar a usar o celular de uma das vítimas. O Delegado informou que, após matar o casal, um dos executores retirou o chip do celular da vítima e começou a utilizar o aparelho. Os policiais rastrearam o celular e no dia seguinte ao assassinato, o filho do casal ligou aproximadamente 20 vezes para o criminoso, foi então que a Polícia Civil percebeu a ligação do rapaz com o assassinato.
A Polícia acredita que há uma quarta pessoa envolvida no crime, mas ainda não está confirmada a participação.  Segundo a Polícia Civil, o plano do jovem começou a falhar quando ele pagou R$ 8 mil aos criminosos e o restante do pagamento foi feito em cheques. Porém, os cheques eram de clientes da fábrica, que sustaram as folha logo após o assassinato. Como os cheques não eram compensados, os executores começaram a ameaçar Junio.

 

O CRIME
O crime ocorreu no dia 4 de junho deste ano. O casal foi encontrado morto dentro de uma caminhonete, em uma estrada vicinal de Nova Serrana. De acordo com a Polícia Militar (PM), um fazendeiro da região foi quem encontrou os corpos ao passar pela estrada, que é pouco movimentada. A perícia da Polícia Civil foi acionada na época e constatou que os dois foram mortos com cinco tiros cada e tinham marcas nas mãos, que poderiam ser de tentativa de defesa. Com a presença de amigos e familiares, os corpos do casal foram enterrados sob forte comoção. Amigos e familiares disseram na época, que os filhos do casal, de 14 e 20 anos, estavam em estado de choque.
Segundo o delegado, no momento em que o casal passava pela estrada, um dos assassinos contratados pelo filho pediu carona. O casal se prontificou a ajudá-lo, pois ele era funcionário da empresa da família. Ao entrar na caminhonete, o homem rendeu o casal e mandou que dirigissem até determinado local. Ao chegarem aonde o criminoso havia mandado, ele atirou seis vezes contra a mulher, recarregou a arma, momento em que o outro envolvido chegou para executar toda a ação. O terceiro envolvido vigiou o local para que o assassinato fosse consumado.

 

Créditos: Divulgação/PM

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.