quarta-feira, 3 de Abril de 2013 05:18h Atualizado em 3 de Abril de 2013 às 05:21h. Erik Ullysses

Polícia Civil incinera mais de 500 kg de drogas em Divinópolis

Drogas foram apreendidas durante os anos de 2011, 2012 e início de 2013, como resultado dos mais de 700 Autos de Prisão em Flagrante registrados no período

A Polícia Civil de Divinópolis incinerou na tarde de ontem (02) cerca de 485 quilos de entorpecentes. Entre as drogas que foram destruídas estava maconha, crack e cocaína. Os materiais são resultados dos Autos de Prisão em Flagrante (APF) envolvendo tráfico de drogas durante os anos de 2011, 2012 e início de 2013. A incineração foi feita em uma siderúrgica de Divinópolis.
De acordo com o delegado Marcelo Nunes, a última incineração havia sido feita no final de 2010. O delegado contou que os mais de 400 quilos são provenientes de 730 Autos de Prisão em Flagrante, sendo que em 2011 foram registrados 290, no ano passado 370 e nos três primeiros meses deste ano foram registrados 70. Os AFPs resultaram em mais de 1000 pessoas presas, fora os menores apreendidos.
O delegado Marcelo Nunes ressaltou que a incineração dos entorpecentes é a prova de que os órgãos de segurança pública da cidade estão trabalhando. Ele disse que essa droga destruída ontem (02) ainda é pouca e que os trabalhos da Polícia Civil serão intensificados. “Isso é uma pequena parte. Isso mostra que os órgãos estão trabalhando. Foram mais de mil pessoas presas em relação a essas drogas. O pessoal fala assim: ‘Ah eles não estão prendendo’. Estão sendo feitas prisões sim! Quase que a maioria dos detentos da Floramar são referentes ao tráfico de drogas, provando que os órgãos estão combatendo. Ainda nós achamos pouco. Nós vamos ampliar isso mais, nós vamos intensificar ainda mais essas apreensões” afirmou.
O delegado explicou que essa intensificação da ação da PC será feito através de um trabalho mais qualificado, mudando a forma da polícia agir. “Nós vamos fazer agora um trabalho mais qualificado. O que nós chamamos de Inteligência Policial. Tentar pegar não apenas os pequenos traficantes, mas também essas pessoas que estão trazendo essas drogas para a cidade em quantidades maiores. Então nós vamos mudar a nossa forma de autuação” garantiu.
A PC tem ainda o objetivo de tirar os bens dos traficantes provenientes do tráfico de drogas. Esses materiais apreendidos, além do dinheiro proveniente do tráfico, serão repassados para a Justiça para que possam ser distribuídos para instituições que cuidam de viciados em drogas, retornando assim como benefício para a sociedade. “É um novo trabalho que nós vamos fazer. Nós vamos tentar também mexer no bolso do traficante. Não ficar só tentando apreender drogas, vai para a cadeia. Nós vamos tentar tomar deles tudo que for proveniente do tráfico de drogas, e vamos distribuir para que o judiciário possa entregar para instituições fazerem o combate as drogas, ou seja, diretamente para o tratamento de usuários” explicou.
Para se ter uma idéia do poderio do tráfico e do golpe que o mesmo sofreu com a incineração das drogas de ontem (02), o cálculo da Polícia Civil é de que todo o entorpecente destruído renderia no mínimo quatro milhões de reais. “É um golpe duro no tráfico, porque esse dinheiro iria virar armas e outros tipos de materiais o que consequentemente aumentaria os crimes na cidade” concluiu o delegado.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.