quinta-feira, 16 de Julho de 2015 11:10h Atualizado em 16 de Julho de 2015 às 11:13h. Pollyanna Martins

Polícia Federal prende 26 pessoas em Operação Ostentação

A operação executou ainda 64 mandados de busca e apreensão em Divinópolis, Bom Despacho e Ribeirão Preto

A Polícia Federal (PF) realizou ontem a Operação Ostentação em Divinópolis. As investigações começaram há sete meses, acerca de uma quadrilha que assaltava bancos na região. A operação contou com o apoio das Polícias Civil e Militar, do Ministério Público Estadual (MPE) e do Judiciário Estadual. Durante a ação, 26 pessoas foram presas. Destas, 21 foram com mandados de prisão e cinco foram presos em flagrantes.
Segundo o delegado Daniel Souza Silva, durante as investigações foi possível identificar todos os elementos da quadrilha. O delegado ressaltou que a forma como a quadrilha atuava chamou a atenção dos policiais. Os grupos sempre agiam de forma violenta. “Eles faziam diuturnamente era planejar assaltos, planejar todo o tipo de delito, principalmente roubo a veículos e a residências, assim como o tráfico de drogas.”
Durante o trabalho desenvolvido pela Polícia Federal, mais duas quadrilhas foram identificadas, totalizando três. Uma quadrilha atuava em roubos de veículos e a residências, e as outras duas atuavam no tráfico de drogas. “Essas quadrilhas se interligam entre si, de forma que o elemento de uma quadrilha empresta uma arma para o elemento de outra quadrilha, auxilia em fuga, empresta carro e também ajuda a esconder produtos de crime”, relata.
Conforme o delegado, o nome da operação se deve ao estilo de vida que os criminosos levavam. O delegado contou ainda que os criminosos praticavam os crimes de capuz, mas depois postavam fotos no Facebook “ostentando” a vida que levavam. “Eles [criminosos] tinham essa rotina de ficar ostentando nas redes sociais, fotos simulando estarem armados, e a gente conseguiu acompanhar isso. De certa forma até auxiliou, porque quando eles praticavam os crimes, na maioria das vezes eles estavam com capuz e a gente conseguiu identificá-los pelas redes sociais”, informa.

 

OPERAÇÃO
A operação foi realizada também em Bom Despacho e Ribeirão Preto, onde um suspeito de ser chefe de tráfico de drogas em Divinópolis foi preso. Um dos bandos estava em contato com criminosos de São Paulo, com intenção de criar uma célula do PCC nesta região. Eles praticavam também roubos a mão armada a veículos, quando abordavam motoristas escolhidos aleatoriamente pelas ruas. “Nós vimos durante o trabalho de inteligência, que eles [criminosos] estavam mantendo contato com alguns criminosos em São Paulo e tinham a ideia de fazer uma célula aqui. Isso vai ser objeto de investigação. Em um primeiro momento a gente viu que isso não chegou a acontecer, mas cogitaram isso em razão dos contatos que eles tinham em São Paulo”, esclarece.

 

POLÍCIA MILITAR
Foram apreendidos durante a ação armas de fogo, drogas e um rádio na frequência da PM. A operação que começou às 6h foi executada em vários pontos da cidade e cumpriu 52 mandados. Segundo o comandante da 7ª Região, coronel Laércio Reis, foram utilizados 230 policiais, 60 veículos e um helicóptero para auxiliar na operação. Ainda de acordo com o comandante, a PM deslocou policiais de Formiga, Itaúna, Nova Serrana, Bom Despacho e Pará de Minas. “Em cada local que foi cumprido um mandado teve uma equipe de quatro policiais militares, então foram 52 equipes. Nós tivemos que trazer reforço das cidades vizinhas para que nós pudéssemos agregar o efetivo de Divinópolis, cumprir os mandando e alcançar os resultados”, informa.
O coronel informou ainda que nenhum dos suspeitos reagiu a abordagem dos policiais. Conforme o comandante, um dos principais objetivos da operação é diminuir o número de crimes violentos na cidade. “O principal resultado que a gente deve salientar é a retirada de circulação de pessoas voltadas à prática de crimes graves que tem grande impacto na sociedade, em termos numéricos, em termos subjetivos, na sensação de insegurança que provoca. A gente não podia conviver com isso com naturalidade”, frisa.

 

POLÍCIA CIVIL
A Polícia Civil (PC) também auxiliou na operação que cumpriu 64 mandados de busca e apreensão. O chefe do 7º Departamento da Polícia Civil, delegado Ivan Lopes, destacou que o número de roubo e tráfico de drogas aumentou nos últimos anos. Ao todo, participaram da operação 45 policiais civis, dez delegados e 11 viaturas. “Este tipo de crime merece atenção e a atenção está sendo dada. Nós já intensificamos por parte da Polícia Civil outras ações com relação ao tráfico, e ao roubo, especialmente o roubo de veículos”, afirma.
O delegado da Polícia Civil não descartou o envolvimento dos suspeitos presos na operação de ontem com os suspeitos presos na Operação Maçarico, realizada pela Polícia Civil no início do mês. O delegado Daniel Souza explicou que as operações realizadas pelas polícias têm duas vertentes, mas se interligam. “A nossa operação abordou os bandidos que chegam com a arma na cabeça do motorista e leva o carro. A vertente que a Polícia Civil está investigando é muito importante, que é justamente em cima do desmanche, que é a destinação dos veículos. Isso com certeza está interligado entre as quadrilhas”, afirma.

 

Crédito: Reprodução/PM

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.