quinta-feira, 8 de Março de 2012 08:44h Atualizado em 8 de Março de 2012 às 10:03h. Paulo Reis

Polícia Militar reforça e cria novas estratégias para coibir assaltos a caixas eletrônicos

Sucessão de crimes desta natureza tem sido registrados em Divinópolis e cidades vizinhas

Desde o início de 2012 uma serie de assaltos à caixas eletrônicos tem preocupado, comerciantes, bancários e algumas instituições de ensino de Divinópolis e região.
Na maioria das vezes os crimes são cometidos por mais de duas pessoas que se apresentam armados e fazem de reféns quem estiver no local, como alguns vigias das instituições de ensino.
Cidades vizinhas como Itatiaiuçu, Itaúna e São Gonçalo do Pará já registraram por algumas vezes a prática destes crimes.
O último ato dessa natureza foi acompanhado pela Polícia em uma das faculdades de Divinópolis. Cerca de sete homens invadiram uma das sedes da instituição, onde se encontrava um caixa eletrônico e antes de arrombar o terminal fizeram um vigia de refém.
Diante da quantidade de pessoas, a Polícia acredita que a execução destes crimes esteja sendo feita por uma quadrilha.
Estratégias já existentes estão sendo reforçadas e algumas outras criadas para coibir a ação delituosa destas pessoas que já estão sendo investigadas há algum tempo.
Outro fator que chama a atenção é quanto a ação dos criminosos, que parecem ter certeza de onde roubar e o que roubar, tática essa que levanta hipóteses de os envolvidos já terem conhecimento do espaço a ser invadido.
A Polícia Militar reforça que a ação destes infratores pode ser coibida utilizando os sistemas de alarmes e através das denúncias que ainda é o meio que mais tem ajudado a solucionar atos como estes.
Segundo o Comandante do 23º Batalhão, Tenente Coronel Júlio Teodoro, pode haver ligação entre os crimes praticados em Divinópolis e nas demais cidades do Centro-Oeste Mineiro, ou seja, a quadrilha pode ser a mesma.
Diversos mecanismos já foram criados para atrapalhar a conclusão destes crimes, como por exemplo a queima das cédulas quando alguém estiver tentando abrir o caixa e o tingimento das cédulas quando esses aparelhos forem forçados, este último método é usado atualmente pelos caixas eletrônicos dos bancos.
A polícia ressalta que há algumas dicas que podem ajudar ou até mesmo evitar este tipo de ocorrência, como por exemplo, prestar a atenção em pessoas que rodeiam repetitivamente os lugares onde ficam estes terminais, manter sempre a PM informado sobre qualquer movimentação estranha, e como resguardo a vida, no caso de vigias, manter sempre um telefone próximo para situações emergenciais, e ainda evitar reagir diante de situações de ataque dos criminosos.
Outro fator que não deve ser deixado de lado é a manutenção do sistema de segurança que compreendem câmeras de filmagem, condicionadas nos locais de maior fluxo de pessoas. Em uma das ocorrências atendidas o sistema de circuito interno estava desligado no momento do crime, o que impossibilitou a investigação acerca do fato.
Os Militares mantém as investigações e reforçam: caso alguém saiba de qualquer detalhe que possa ajudar na solução destes ou de qualquer crime basta ligar para o número de emergência que é o 190, ou se preferir não se identificar é só acionar o 181 cujo sistema de atendimento a pessoa relata a informação e ainda recebe uma senha para acompanhar o andamento das investigações.
A participação da população tem sido decisiva para a elucidação e prisão destes criminosos que tem tirado o sossego da comunidade, finalizou Tenente Coronel Júlio Teodoro.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.