sexta-feira, 1 de Julho de 2016 13:32h

Presos sob a custódia da Polícia Civil serão transferidos para Defesa Social

Os detentos de Bom Despacho serão transferidos em até 100 dias. Já os detentos de Bambuí, Dores do Indaiá e Martinhos Campos, serão transferidos em até nove meses

O secretário de Estado de Defesa Social, Sérgio Barboza Menezes, e a chefe da Polícia Civil do Estado, Andrea Vacchiano, apresentaram o plano conjunto elaborado pelas duas instituições para transferir os cerca de 4.300 presos que ainda estão sob a custódia da Polícia Civil, para a Subsecretaria de Administração Prisional (SUAPI) da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Em até nove meses, detentos e alguns dos espaços físicos das 89 cadeias públicas remanescentes serão assumidos pela subsecretaria.

Com a execução desse plano, a Polícia Civil fica liberada para se concentrar em suas atividades finalísticas, como a investigação de crimes, favorecendo a população desses municípios e do entorno. Igualmente, os presos se beneficiam da chegada dos serviços da Seds/Suapi, responsável hoje pela custódia de 59 mil homens e mulheres em Minas Gerais.

 

 

Em até 100 dias, o plano prevê a transferência para a Seds/Suapi de 36 unidades da Polícia Civil, instaladas em prédios exclusivos para custódia de presos. O cronograma será completado em até nove meses, com a assunção de outras 38 unidades que ficam anexas a Delegacias de Polícia.

“O governo atual está tratando o sistema prisional como questão prioritária. Estamos cumprindo essa demanda histórica de retirar da Polícia Civil a responsabilidade de guarda de presos. Também estamos fazendo planejamentos, mergulhando no sistema prisional, para ampliar sua capacidade e melhorar o seu funcionamento”, destacou o secretário de Defesa Social, Sérgio Barboza.

 

 

A chefe da Polícia Civil, Andrea Vacchiano, também celebrou a iniciativa e disse que o ganho para a instituição é “imensurável”.  Segundo ela, não só ganham as 89 cidades onde delegados, escrivães, investigadores e outros profissionais poderão se dedicar exclusivamente à sua atividade fim, mas também todo o estado, com o reflexo positivo da diminuição do acúmulo de trabalho em cada região.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.