sexta-feira, 8 de Julho de 2011 18:42h Atualizado em 9 de Julho de 2011 às 08:24h. Natalia Santos

Queimadas em Divinópolis diminuem em relação a 2010

Mesmo com a queda no índice, falta de conscientização ainda pode aumentar os números
É normal que no período de seca aumentem os números de queimadas. No entanto se cada cidadão fizesse sua parte e adotasse a educação ambiental, o número que sempre assusta a todos pode ser reduzido. O que os números representam, é uma população a caminho da conscientização, tendo em vista que de janeiro a junho a cidade obteve 83 focos de incêndios. Diferente de 2010 que durante o mesmo período registrou 227. Entre junho e início de setembro focos de incêndio podem ser vistos em grande escala por todas as cidades, e as estatísticas apontam falta de conscientização da população. Um dos principais motivos de incêndios em Divinópolis é a falta de informação, cultura e de cuidados ambientais. Outro fator é o clima. Nesta época do ano quase não chove e com a baixa umidade a vegetação fica mais seca e com isto qualquer foco de fogo pode se alastrar, normalmente estes casos são originados por pessoas, o que significa que a causa das queimadas é humana. “Não tem como ser de outra forma a não ser por decorrência humana. Um incêndio pode ser consciente ou inconsciente, vai depender do nível de informação que a pessoa tem em saber as consequências que o ato pode causar”, exaltou tenente Viana do 10º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militares de Divinópolis. De acordo com as estatísticas dos Bombeiros, até junho deste ano foram registrados 83 focos de incêndios de diversas naturezas. Número bem inferior ao do ano anterior que apresentou 227 focos nesta mesma época. Durante todo o ano de 2009 foram registradas 347 ocorrências de incêndio. Em 2008 este número chegou a 512. Para o assessor de comunicação do batalhão o ano de 2010 chamou a atenção com números altos de registros e por isto incentivaram as campanhas de conscientização. Para exemplificar, o tenente alegou que em Divinópolis ainda existe o costume de colocar fogo em lotes vagos com a intenção de limpar o terreno. Esta, no ponto de vista do Corpo de Bombeiros não seria a forma mais adequada, mas sim realizar a capina. Nestes casos, as pessoas perdem o controle do fogo por não saberem realizar o ato correto. “Isto faz com que aumente o número de queimadas, tanto em lotes vagos, como em rodovias, pastos e campos. Há um aumento nesta época do ano, mas se cada um fizesse sua parte, isto poderia ser reduzido. O tempo contribui, mas a educação ambiental que todos devem ter favorece a diminuição na quantidade de queimadas que existe atualmente”, alertou o tenente, afirmando que em casos de fogo em lotes, o risco de atingir casas são maiores. Ele lembrou ainda que colocar fogo em lotes vagos é crime ambiental e a população pode denunciar, uma vez que a sociedade também pode sofrer consequência com as queimadas. Sobre precauções para evitar queimadas, o Corpo de Bombeiros orienta que em casos de zona rural se utilize as técnicas corretas, além de pedir a autorização da Polícia Militar Ambiental. A técnica necessária seria fazer um aceiro, junto com o monitoramento para não deixar o fogo se alastrar. “Um aceiro significa a retirada de parte da vegetação que impede que o fogo tenha grandes proporções. É importante que tenha pessoas por perto para não deixar que nenhuma fagulha ultrapasse a barreiras através do vento”, explicou. Para realizar uma queimada em campos, é necessária uma técnica e principalmente uma liberação do órgão competente, no caso de Divinópolis o Instituto Estadual de Florestas (IEF). Como cuidados, os condutores que se depararem com incêndio próximos à rodovias, segundo Vieira, devem reduzir a velocidade, uma vez que a fumaça atrapalha a visibilidade e entrar em contato com o Corpo de Bombeiro no 193 para que uma corporação se desloque até o local para combater o fogo. DICAS PREVENTIVAS: Não jogue pontas de cigarro pela janela do carro nas margens de estradas e rodovias; Evite jogar qualquer tipo de lixo pela janela do carro nas margens de estradas e rodovias; Mantenha seus lotes e terrenos sempre limpos; Faça aceiro em sua propriedade para evitar imprevistos; Não solte balões, eles podem causar grandes incêndios; Não solte fogos de artifício em matas; Ao acampar, evite fazer fogueiras. Caso o faça, certifique-se que a fogueira está isolada e, após seu uso, apague-a corretamente; Não faça queimadas em sua propriedade sem prévia autorização do órgão competente, em Minas Gerais, o IEF; Ao avistar um foco de incêndio comunique imediatamente ao Corpo de Bombeiros e, na impossibilidade, a outros órgãos como Polícia Rodoviária, Defesa Civil, Polícia Militar, IEF; Denuncie a prática de incêndios em lotes vagos, matas, florestas e outras formas de vegetação. Ajude a proteger e preservar o meio ambiente.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.