sexta-feira, 3 de Outubro de 2014 05:25h Mariana Gonçalves

Reforma política

Plebiscito popular se encerra com mais de 8 milhões de votos a favor

Uma reforma que mude o modo de se fazer e pensar a política no país. Essa é a principal base do Plebiscito que levou 95 entidades do Brasil inteiro a se unir e sair às ruas pedindo os votos de apoio dos cidadãos. Esse trabalho objetiva fazer com que o Congresso Nacional aprove um projeto de Iniciativa Popular pela Reforma do Sistema Político Brasileiro.

Entre as entidades que estão envolvidas no projeto estão os movimentos sociais e sindicais, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Em Divinópolis, dentre outras entidades, o movimento tem o apoio do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUTE) e do Conselho Diocesano de Leigos do município.
Segundo a coordenadora do Departamento de Políticas Sociais e Imprensa do SindUTE, Maria Catarina Vale, em âmbito nacional os votos colhidos no plebiscito foram mais de 8 milhões, número esse que superou as expectativas das entidades envolvidas. “Em Minas Gerais chegamos a quase dois milhões de votos. Em Divinópolis fiquei muito feliz com o resultado, não foi nada fácil levar esse plebiscito, principalmente porque tivemos algumas pessoas querendo nos atrapalhar. Mas conseguimos na cidade mais de 8 mil votos, porém, só pude computar e registrar como válidos 4.562, pois mais de 3 mil votos ficaram de fora, devido às urnas chegarem para apuração fora do prazo estipulado”, conta.
Contudo, a coordenadora do SindUTE aproveita para agradecer a todas as pessoas que fizeram valer a sua voz como cidadãos, expressando a sua importante opinião nesse projeto. “Achei muito importante esse ato das pessoas até mesmo pelo contexto que conseguimos trabalhar esse plebiscito, em um momento onde o país passa por eleições, mas sei que a reforma política agrada a todos. O povo não aguenta mais esse sistema que excluiu o cidadão e isso escutamos da própria população”, acrescenta.
Entre os dias 14 e 15, cerca de 470 movimentos sociais se reunirão para ir a Brasília protocolar o resultado das apurações do plebiscito.

 

 

CONSCIENTIZAÇÃO
De acordo com Maria Catarina, a maior parte de participação de votos no plebiscito foi de pessoas mais maduras, principalmente os cidadãos mais idosos. “Os jovens ainda estão muito distantes desse processo e não deveriam, pois a reforma política praticamente é resultado das manifestações de junho de 2013, que os movimentos sociais com pessoas de várias idade levaram à frente. Porém, em Divinópolis por exemplo, o engajamento da juventude, do movimento estudantil principalmente dos universitários, deixou muito a desejar”, afirma.

 

 

INICIATIVA
A Iniciativa Popular para a reforma do sistema político é um mecanismo de democracia direta previsto na Constituição Brasileira. Para que o projeto de lei dê entrada no Congresso Nacional é preciso que seja coletado 1% de assinaturas de eleitores de todo Brasil, o que atualmente representa cerca de 1,5 milhão de assinaturas. “Os políticos precisam aprender que o plesbicito é uma consulta popular, a política brasileira morre de medo disso porque o povo fala o que quer e cobra por mudança”, complementa Maria Catarina.
A representante do SindUTE destacou que uma minoria da população já percebeu a importância do plebiscito, a expectativa é que logo a sociedade de forma geral saiba também reconhecer o grau de importância da consulta popular. “É até interessante que nas votações aqui em Divinópolis as pessoas pediram para ter um plebiscito municipal, sobre a Copasa, sobre a situação da cidade entre outras coisas. O plebiscito é uma forma legítima de ouvir a população, de dar voz ao povo”, encerra Vale.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.