quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2016 10:16h Atualizado em 24 de Fevereiro de 2016 às 10:25h. Carina Lelles

Ronda

Casa pega fogo no bairro Niterói

Uma ocorrência de incêndio foi registrada na manhã de ontem na Avenida Governador Magalhães Pinto, em Divinópolis. Com as chamas, parte do telhado e roupas foram danificados e o Corpo de Bombeiros gastou cerca de três mil litros d’água para conter as chamas.
A suspeita é que usuários de drogas e moradores de rua que dormem no local possam ter iniciado o incêndio. O imóvel está abandonado há mais de quatro anos e ninguém ficou ferido. O local passará por perícia e a Defesa Civil irá avaliar as condições do imóvel.
 

 

 

Polícia Civil pede prisão de sete pessoas por rompimento da barragem de Fundão
Seis pessoas da Samarco, incluindo o presidente licenciado, e uma da VogBR responderão pelos crimes de homicídio qualificado pelo dolo eventual, inundação e corrupção ou poluição de água potável
Pela primeira vez desde o rompimento da barragem de Fundão, a Polícia Civil pede a prisão de seis engenheiros e diretores da Samarco e um da VogBR. Nesta terça-feira (23) está sendo apresentada a conclusão do primeiro inquérito sobre a tragédia.
Os sete responsáveis serão indiciados pelos crimes de homicídio qualificado pelo dolo eventual, inundação e corrupção ou poluição de água potável. Além disso, a Polícia Civil também pede a prisão preventiva dos suspeitos.
Na Samarco, foram indiciados: o diretor presidente, Ricardo Vescovi de Aragão, o diretor-geral de operações, Kléber Luiz de Mendonça Terra, o gerente geral de projetos, Germano Silva Lopes, o gerente de operações, Wagner Milagres Alves, o coordenador técnico de planejamento e monitoramento, Wanderson Silvério Silva, e o gerente de geotecnia e hidrogeologia, Daviely Rodrigues da Silva. O sétimo indiciado é o engenheiro responsável pela declaração de estabilidade da barragem, Samuel Santana Paes Lourdes, da VogBR.

 


Fonte: Jornal O Tempo

 

 

 

 

Indenizações pagas pelo Dpvat registram redução de 15% em 2015
A seguradora Líder, responsável pelo seguro obrigatório Dpvat, pagou, em 2015, 652.349 indenizações por acidentes de trânsito em todo o Brasil, 15% a menos que no ano anterior, de acordo com balanço divulgado ontem em São Paulo. A maior queda foi registrada na cobertura de morte (19%), seguida de reembolso por despesas hospitalares (18%) e invalidez permanente (13%). Em valores, as indenizações chegaram a R$3,381 bilhões no ano passado.

De acordo com os dados, as indenizações pagas por acidentes de motocicletas (497.009) são 76% do montante pago. Dos acidentes por motocicleta, 83% geraram algum tipo de invalidez permanente, 4% acabaram em morte e 13% resultaram em reembolso hospitalar. No caso dos automóveis, foram 124.267 indenizações pagas (19%). Caminhões e pick-ups geraram 17.973 (3%) e ônibus, micro-ônibus e vans 13,1 mil (2%).
O balanço revelou ainda que, do total das indenizações pagas, 416.413 (64%) foram destinadas aos motoristas, 118.156 (18%) para passageiros e 117.780 (18%) para pedestres. O levantamento indicou também que 74% das vítimas indenizadas são homens e 24% mulheres. As pessoas entre 18 a 34 anos são as que mais aparecem entre as indenizadas (51%). Quando analisadas as regiões, o Nordeste concentrou 33% das indenizações. O Sudeste registrou 29%, o Sul 18%, enquanto o Norte e o Centro-Oeste concentraram 10% cada.
Segundo os dados, a arrecadação total paga pelos proprietários de veículos somou R$ 8,6 bilhões em 2015, sendo que 50% foram destinados por lei para a União. O restante foi gasto com despesas de indenização, constituições de provisões técnicas para pagamento de indenizações futuras e despesas administrativas.
O seguro oferece cobertura por morte (R$ 13.500), invalidez permanente (até R$ 13.500) e reembolso por despesas médicas e hospitalares (R$ 2.700). Mais informações podem ser conseguidas na página da seguradora ou pelo telefone 0800 022 1204. As agências próprias dos Correios também recebem pedidos de indenização do Seguro Dpvat.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.