quinta-feira, 5 de Junho de 2014 06:22h Atualizado em 5 de Junho de 2014 às 06:44h. Aaron Oliveira

Simulação de acidente com produtos químicos é realizada na MG-050

A simulação foi feita por agentes da Nascentes das Gerais em conjunto com a Polícia Militar Rodoviária e o Corpo de Bombeiros

Na manhã desta quarta-feira uma simulação de atendimento a acidente com produtos químicos foi feita em Divinópolis, na MG-050. A ação foi realizada pela Nascentes das Gerais, juntamente com o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar Rodoviária. O intuito foi de instruir e capacitar os agentes da Nascentes, os bombeiros e os policiais para atenderem este tipo de ocorrência.

 

O gerente de operações da Nascentes das Gerais, Marcelo Aguiar, explica a importância deste tipo de exercício simulado, que faz parte do plano de segurança da rodovia. “Anualmente a gente faz esse treinamento em parceria com o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar. Sem falar no papel da concessionária que é fazer o isolamento da área, garantir a segurança do local para que as equipes especializadas façam e procedam ao atendimento.”
Ele conta ainda que quando acontecem acidentes que envolvam cargas de produtos perigosos, há a necessidade de se usar roupas especiais, isolar a área e preservar o local. Além disso, é preciso fazer a adequada sinalização do lugar, de forma que um novo acidente, até de complexidade mais alta, seja evitado.

Marcelo também dá dicas aos motoristas que se depararem com tal tipo de situação. “Eles devem observar a sinalização, sempre parar e manter uma distância segura, pois existem produtos contaminantes. Observar a sinalização do acidente e jamais ultrapassar a área limitada desta ocorrência”, aconselha. Hoje, 25% do tráfico da rodovia é de veículos carga e veículos comerciais. 16% dos envolvidos em acidentes são veículos comerciais. Embora sejam pequenas e menos comuns pequenas as ocorrências de acidentes específicos com produtos perigosos, a gravidade deles é enorme.

O Corpo de Bombeiros também participou da simulação, fazendo os primeiros socorros das vítimas com roupas próprias para evitar a contaminação, de maneira a lidar melhor com este tipo de situação. O tenente do Corpo de Bombeiro, Ricardo Alves, explicou os procedimentos padrão dos bombeiros. Segundo ele, a primeira ação é identificar o tipo de produto envolvido. “O que chegou até o Centro de Comunicação é que [a substância] era cianeto de hidrogênio. A primeira medida é chegar a 750 metros do local. Com o binóculo, [os bombeiros] identificaram o painel de segurança [placa alaranjada que fica atrás do caminhão].”

Em seguida, é completa o tenente, é feita a contenção do produto para evitar que o acidente se agrave e o isolamento da área de duas forma possíveis, dependendo do tamanho da ocorrência. O isolamento pequeno é de 100 metros, enquanto o maior, para grandes vazamentos, por exemplo, é de 1, 3km. No caso da simulação a restrição foi de apenas 30m.

 

O gerente de operações da Nascentes das Gerais reforça a necessidade do treinamento, pois alia teoria e prática. “Agora estamos recebendo curso de formação de soldados e eles já estão saindo da teoria e vivenciando isso mais próximo da pratica, o mais real possível”, ressalta Marcelo.
O representante da Polícia Militar Rodoviária, tenente Lisboa, diz que a ação é prepara e capacita o policial militar rodoviário no atendimento de acidentes complexos deste tipo, apesar de serem poucos. Até porque, de acordo com ele, o volume de transportes de produtos químicos é muito grande.

Lisboa ressalta a importância e a necessidade da sinalização do produto perigoso sendo transportado, que é feita pelo “rotulo de risco e o painel de segurança”. “É através dele que o policial vai saber identificar o nome do produto, saberá quais as atitudes a tomar e os órgãos a serem chamados no momento da ocorrência.”

 

Crédito: Aaron Oliveira

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.