quarta-feira, 29 de Agosto de 2012 10:19h Gazeta do Oeste

Sítio alvo de buscas da polícia está entre bens bloqueados de Bruno

O sítio de Bruno em Esmeraldas, que segundo a polícia serviu de cativeiro para Eliza Samudio, ainda não foi vendido formalmente, porque está indisponível, bloqueado devido ao processo de pensão alimentícia que corre na 1ª Vara de Família do Rio de Janeiro. A decisão da juíza Maria Cristina de Brito Lima, publicada em julho, atende a pedido da defesa da mãe de Eliza, Sônia Moura, que tem a guarda do bebê Bruninho, filho do atleta. Enquanto o menino não receber pensão, já decretada pela Justiça, os bens do goleiro estão indisponíveis para qualquer tipo de negócio.

 

De acordo com a advogada Maria Lúcia Borges, que representa os direitos da criança, há dois processos: o primeiro cobra a execução da pena e o outro, o pagamento dos últimos meses de pensão. Depois de citado, se Bruno não começar a pagar o benefício em três dias, os bens penhorados vão a leilão. No segundo caso, se o goleiro não quitar os meses atrasados, pode ter outro mandado de prisão, até que regularize a situação.

 

 

Segundo o advogado do atleta, Francisco Simim, o acordo para a venda foi fechado informalmente há cerca de seis meses e o novo proprietário já aproveita o sítio E-16, de 5 mil metros quadrados, no Condomínio Turmalina. Avaliada em R$ 1,2 milhão, a propriedade foi anunciada em classificados por R$ 800 mil, mas, de acordo com Simim, o valor definido ficou bem abaixo do que Bruno e a ex-mulher, Dayanne dos Santos, haviam pedido. Simim não quis informar a quantia acordada para a venda nem dar informações sobre o comprador.

 

As investigações da polícia mostram que Eliza passou os últimos quatro dias de sua vida em cárcere privado no sítio. Machucada na cabeça, por causa de uma agressão sofrida quando viajava do Rio de Janeiro para Minas com Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e o primo do goleiro J., que à época tinha 17 anos, a jovem teria ficado trancada em um quarto.

 

 

A propriedade havia sido descartada como o lugar onde o corpo tivesse sido enterrado, pois os depoimentos mostraram que Macarrão saiu com Eliza e voltou sozinho, com uma mala que foi queimada, contendo os pertences da jovem. O foco então se voltou para uma casa em Vespasiano, na Grande BH, onde a vítima teria sido esquartejada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EM

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.