quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2016 12:47h Polícia Civil

Suspeito de matar por ponto de venda de drogas é preso na capital

Familiares da vítima se emocionam e enviam carta de agradecimento à equipe que investigou crime

A prisão de Guilherme Brandão Coluccini, de 23 anos, foi o alento que a família de Alexandre Costa de Freitas, de 27, tanto esperava. O jovem foi assassinado no dia 20 de julho do ano passado, no bairro Caiçara, capital.

Investigações indicam que o suspeito teria combinado um encontro com a vítima minutos antes da execução do crime. Alexandre estava dentro do carro quando a moto em que estava Guilherme se aproximou. O suspeito teria entrado no veículo da vítima e após breve discussão, Alexandre foi atingido por disparos de arma de fogo. A motivação do crime seria uma dívida de drogas aliada à disputa por ponto de venda de entorpecentes. 

Parentes de Alexandre enviaram uma carta emocionada à equipe que investigou o crime. Em um dos trechos, a família diz: “Parabéns! Vocês são mil! Seres normais como eu, porém, dotados de uma capacidade divina e infinita para enxergar, julgar, achar e fazer prevalecer a justiça dos homens”.

A mulher ainda desabafa “Erramos... é verdade... não existe fórmula para erros e acertos. Percorremos o mundo passo a passo, às vezes até medimos cada um deles... Quem sabe? A vida é repleta de mistérios...”.

O chefe do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Luiz Flávio Cortat, destaca “a satisfação dos policiais não somente agraciados, mas de todo Departamento, uma vez que este reconhecimento é um valioso estímulo à continua dedicação e profissionalismo dos policiais que lutam diariamente para que o sentimento de impunidade não impere junto aos familiares, trazendo assim fôlego e esperança à sociedade”.

Guilherme foi indiciado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e sem chance de defesa da vítima.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.