TERCEIRA FASE DA OPERAÇÃO MAR DE LAMA INVESTIGA NOVOS ENVOLVIDOS NOS CRIMES DE CORRUPÇÃO EM VALADARES (MG)

Foram presos hoje sete dos 13 vereadores afastados de seus cargos desde o mês de abril a pedido do MPF

A investigação denominada Operação Mar de Lama entrou hoje em sua terceira fase, com o cumprimento de cinco mandados de prisão preventiva, 15 de prisão temporária, 21 de busca e apreensão, 17 de afastamento de cargo público e três de sequestro de bens nas cidades de Governador Valadares e Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Estão sendo apurados crimes de corrupção, fraudes a licitação, desvio e apropriação de recursos públicos por uma organização criminosa instalada na Administração Pública de Governador Valadares. O esquema foi descoberto a partir de inquérito civil público instaurado pelo Ministério Público Federal (MPF) para verificar a regularidade na execução de um termo de compromisso firmado pelo Município com o Ministério da Integração Nacional no valor de R$ 4,7 milhões.

 

 



No decorrer das investigações, o MPF constatou que, embora a empresa contratada não possuísse capacidade econômica e operacional para o tipo de obra e serviço que deveriam ser executados, ela havia sido contratada pela prefeitura municipal mediante dispensa de licitação.

O MPF requisitou então instauração de inquérito policial à Polícia Federal e o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU) para a realização de auditoria nas obras e serviços, quando se descobriu um sistemático desvio e apropriação de verbas, com pagamentos mensais de propina a oito vereadores da cidade.

 

 



Durante as investigações, o juízo federal declinou competência para a Justiça Estadual em relação aos fatos que envolviam emprego de recursos estaduais e municipais, o que acabou resultando na terceira fase da operação Mar de Lama realizada nesta quinta-feira, 19 de maio, pela Polícia Federal, Polícia Militar de Minas Gerais e Ministério Público Estadual, em parceria com o MPF e servidores da recém extinta CGU.

Entre os presos nesta quinta-feira, estão sete vereadores afastados de seus cargos durante a primeira e segunda fases da operação, ocorridas em 11 e 27 de abril, além de agentes públicos e empresários, entre eles os proprietários da empresa Valadarense, contratada pela prefeitura municipal para a prestação de serviços de transporte coletivo em Valadares.

 

 



No total, 26 agentes públicos já foram afastados de seus cargos. Na última segunda-feira, o MPF ofereceu as primeiras denúncias da Mar de Lama, tendo acusado 22 pessoas, conforme a participação de cada um nos fatos, da prática de diversos crimes, entre eles, corrupção ativa e passiva, peculato, advocacia administrativa, fraude a licitação e organização criminosa.

© 2009-2018. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.