quarta-feira, 25 de Maio de 2011 09:39h Marciel Muniz

Trotes prejudicam serviços da Polícia Militar

Ao todo são mais de 160 trotes recebidos diariamente pelo Copom

O maior inimigo do serviço de emergência da Policia Militar (190) são os trotes recebidos, que congestionam as linhas e ocupam o tempo que os militares poderiam usar em uma ocorrência real.



O trote é uma ação irresponsável e criminosa, que prejudica a atividade policial. O prejuízo para a PM e para a sociedade é incalculável, gerando perdas monetárias e mais gravemente, colocando em risco a vida das pessoas que realmente precisam do auxílio da Polícia Militar.

 

 

Os militares empenhados no atendimento de ocorrências são altamente treinados para que possam ter a capacidade de discernir determinadas ligações, assim como sua experiência no exercício da função proporciona conhecimentos necessários para seu dever. Os softwares operacionais do Copom também possuem recursos que auxiliam o atendente a presumir as ocorrências recebidas.

 

De acordo com dados apresentados pelo segundo Tenente Reginaldo Moraes de Sales responsável pelo Copom do 23° Batalhão, são recebidas em média pela Polícia Militar cerca de 1000 ligações diárias entre elas 15 a 20 % são trotes. O segundo Tenente também destacou que no período de 24 horas foram recebidos cerca de 167 trotes, totalizando a quantidade de 16,7% apenas em um dia.



Ao receber as ligações os atendentes registram a ocorrência e de acordo com a gravidade do ocorrido encaminham certa quantidade de viaturas e policiais ao local. Todo esse procedimento exige tempo e planejamento por parte dos militares. Quando o deslocamento dos policiais se faz desnecessário devido a trotes os maiores prejudicados são os cidadãos que realmente necessitam da presença da PM.

 

 

O Tenente Coronel Júlio Teodoro dos Santos responsável pelo 23° Batalhão de Polícia Militar, localizado no bairro Afonso Pena em Divinópolis destacou o quanto os trotes recebidos pelo Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) podem ser prejudiciais. “Toda vez que os policiais são encaminhados para uma ocorrência que na verdade é um trote perde-se muito tempo, sem deixar de observar que enquanto os militares estão “atendendo” a um trote eles poderiam estar empenhados nas reais ocorrências” explicou o tenente.



Crime


O Código Penal Brasileiro considera crime, passível de um a três anos de detenção e multa, o acionamento indevido de serviço de socorro. Com base no artigo 266, “interromper ou perturbar serviço telegráfico, radiotelegráfico ou telefônico, impedir ou dificultar o restabelecimento resulta em pena”. A pena pode ser dobrada se o crime ocorrer em períodos de calamidade pública. Além de aparelhos telefônicos com identificador de chamadas, os atendentes também tentam descobrir, por meio de perguntas, se o relato é verdadeiro.


Passar trote para PM e outros órgãos governamentais é crime, de acordo com o texto do artigo 340 do Código Penal Brasileiro que diz: Provocar a ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência de crime ou contravenção que sabe não ter se verificado. Se a pessoa comunicar uma falsa ocorrência pode pegar seis meses de prisão, para o infrator que comete esse crime com frequência a penalidade é ainda maior.

 

Recomendações:

 

Se realmente necessitar da Polícia Militar e solicitar uma viatura através do número 190 lembre-se: forneça todas as informações que o atendente solicitar. A correta localização do endereço da ocorrência, inclusive com pontos de referência, pode fazer a diferença para que você seja atendido com rapidez e eficiência.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.