sexta-feira, 15 de Junho de 2012 15:30h Carla Mariela

A importância das sacolas biodegradáveis para o Meio Ambiente

A lei que aborda a importância das sacolas biodegradáveis para o Meio Ambiente é de autoria do ex-vereador Marcus Vinícius (PSC). Essa lei foi aprovada na Casa Legislativa de Divinópolis, mas alguns estabelecimentos ainda não aderiram às sacolas biodegradáveis, que são essenciais para o Meio Ambiente.

 

Conforme o ex-parlamentar Marcos Vinícius, a questão ambiental é hoje prioritária para toda a população e cabe às autoridades resgatar a importância do projeto no Município de Divinópolis.

 

“Cabe aos políticos e governantes e aos legisladores estabelecerem políticas públicas que venham resgatar o desenvolvimento sustentável com a recuperação daquilo que já foi degradado no Meio Ambiente evitando outros prejuízos. Essa questão especial desses plásticos, já há pesquisas apontando que sua decomposição leva cem anos, devido às resinas petroquímicas na sua  composição e o prejuízo dessas sacolas plásticas lançadas ao Meio Ambiente é muito grande, principalmente, nos rios, nas ruas, não só pela questão estética, a questão urbanística, mas pela questão ambiental. Os prejuízos são muitos”, disse.

 

Marcus Vinícius acrescentou que a ideia desse projeto foi pela tendência que já acontecia nos grandes centros, nas principais cidades brasileiras, capitais, e nos países de primeiro mundo, na época em que era vereador. “Essa preocupação em trocar, substituir aquelas sacolas antigas feitas de resinas petroquímicas por esse modelo de sacola oxibiodegradável, a qual permite uma decomposição muito mais rápida, tranquila, sem prejuízo ao meio ambiente, já estava acontecendo em outras cidades. Nós apresentamos o projeto, na época a proposta foi muito debatida, nós conversamos com vários segmentos, inclusive segmentos empresariais, nós conversamos também com os ambientalistas e conversamos com bastante pessoas e conseguimos fazer a aprovação desse projeto. Eu estabeleci na época alguns meses para que houvesse uma adaptação da proposta e caberia a prefeitura a fiscalização depois de decorrido esse prazo que a lei entraria em vigor. Infelizmente eu não tenho informação de que essa lei teria sido cumprida, embora tenha sido aprovada e publicada no jornal oficial”, afirmou.

 

Ainda conforme, Marcus Vinícius, ele chegou a visitar uma empresa que trabalha com a confecção e sacolas plásticas biodegradáveis. “Eu conversei na época com um dos empresários que trabalha com essa questão de confecção das sacolas plásticas, eu não recordo o nome dele agora, mas eu lembro que é uma empresa grande, que trabalha com a confecção de sacolas plásticas. Tive na empresa dele, ele explicou que ele podia fabricar essas sacolas plásticas em grande escala para poder ter um material para fornecer aos empresários, aos supermercados e ao comércio de uma forma geral, então, é uma medida simples, mas que se reveste de uma importância muito grande. Antes de elaborar o projeto, eu participei de diversos debates, encontros com técnicos, ambientalistas, com pessoas que entende do meio ambiente realmente. Me reuni também com professores, universitários, acadêmicos e todos apontaram que esse era o caminho certo, que a lei estava completamente dentro daquilo que se espera de uma medida protetiva do meio ambiente, uma vez que com as sacolas oxibiodegradáveis, esse tempo para a decomposição diminui muito e não traz problemas para o Meio Ambiente. É uma medida que o governo tem que colocar em prática”, declarou.

 

Ele finalizou dizendo que o projeto ficou muito bem costurado, amarrado, com os segmentos empresariais, especialmente, aqueles representados pela ACID e pelo CDL e com outros representantes empresariais. “Ficou muito claro que essa lei é voltada para o Meio Ambiente, e que não vai trazer prejuízo para as pessoas, contribuintes e nem para os empresários”, encerrou.
Júlia Amaral, que trabalha na Casa Legislativa de Divinópolis e tem conhecimento dos projetos que passam pelo plenário, ressaltou que a lei foi regulamentada pelo prefeito e está em vigor.

 

O gerente de um supermercado da cidade, Douglas Henrique da Silva, esclareceu que o estabelecimento já aderiu às sacolas biodegradáveis e afirma que essa lei é fundamental para o Meio Ambiente. “O impacto da sacola biodegradável na natureza é menor e a lei forçou os mercadistas a adotar essa medida, então com isso, aumentou o consumo e os fornecedores tiveram que baixar os preços, pois nós já estamos conseguindo comprar com um preço melhor porque antes era uma sacola que poucos usavam por ser muito cara e hoje todos os supermercados devem usar essa sacola e o próprio cliente em si está optando por usar a sacola biodegradável e tem aqueles que trazem a sacola retornável. Estamos fazendo a nossa parte”, relatou.

 

Por fim, o uso da sacola é importante para o Meio Ambiente, mas embora alguns supermercados usem a sacola biodegradável, outros ainda não aderiram a proposta.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.