sexta-feira, 19 de Setembro de 2014 04:39h Carina Lelles

“A política é uma missão extremamente nobre, quando feita com caráter, com dignidade e com dedicação”

Crédito: Lorena Silva

Quem é o Jaime Martins?
Sou Jaime Martins Filho, filho de Jaime Martins do Espírito Santo e dona Maria, nascido na vizinha cidade de Nova Serrana, mas com a vida praticamente toda feita aqui em Divinópolis. Sou técnico-químico industrial formado pelo Cefet, engenheiro mecânico também pelo Cefet, engenheiro metalúrgico pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Tenho uma vida pública dedicada à minha querida Divinópolis e à região Centro-Oeste, mas buscando representar bem essa região e fazendo coisas boas para Minas Gerais e para o Brasil. Tenho muito orgulho de ser um homem dessa região, de ter nascido em Nova Serrana, de ter toda essa convivência em Divinópolis. Acho que tanto eu quanto a minha família somos pessoas muito conhecidas. Meu pai foi deputado estadual por quatro mandatos, vicentino, homem que dedicou muito da sua vida a atender aos mais carentes.

E a dona Maria também é muito conhecida, exatamente pelo trabalho social que ela faz com pessoas e com entidades carentes. Busco fazer o meu melhor para atender o meu país e minha cidade. Estou no meu quinto mandato como deputado federal.

 

 

 

Quais são as suas propostas caso seja reeleito?
Na verdade é muito difícil você resumir um trabalho extenso e todo o conjunto de propostas em um espaço tão reduzido de tempo e do jornal. Mas dois problemas me afligem muito nesse momento. São problemas emergenciais, que nós deveremos atacá-los com toda força.


O primeiro deles, de extrema gravidade, é a situação pelo qual passa o Hospital São João de Deus. Esse é o problema número um, que precisa ser atacado todos os dias de frente e devemos enviar todos os esforços para não permitir que essa instituição corra sequer o risco de ser fechada ou que passe a desassistir a população da nossa região. Tenho dito que o São João de Deus é a instituição mais importante de toda a região Centro-Oeste, pela qualidade da medicina que chegou a fazer, pelo número de atendimentos, pelas vidas que salva e também pelos empregos que gera. Mas essa situação vem se invertendo nos últimos anos e nós temos que nos esforçar. Todos os políticos, todos os gestores, Ministério Público, fazer um esforço muito grande no sentido de ajudar, quer seja com recursos que venham do governo federal ou do Estado, quer seja em achar o ponto de equilíbrio da boa gestão no sentido de remunerar adequadamente os médicos, com justiça, remunerar se possível com prazos em dia, não permitir que falte medicamentos e materiais necessários ao bom cumprimento da missão hospitalar e que tenha uma equipe técnica adequada. O Hospital São João de Deus foi um hospital que alcançou excelência na medicina e nós temos que procurar sempre estar aprimorando a cada dia essa qualidade.


O segundo problema emergencial que nós temos que atacar também é o problema do Rio Itapecerica. O rio está contaminado, feio, sujo, morrendo, pedindo socorro. E nós temos que ouvir esse pedido de socorro. Imagino que com a chegada do período chuvoso, essa situação de hoje deve minimizar, vindo aí as enchentes e o grande volume de água, esse problema deve minimizar. Mas nós temos que ter uma relação com o rio que é uma relação de longo prazo. Temos que evitar a entrada de esgoto dentro do rio, de lixo, de resíduos que contaminam a água. Temos que ter um planejamento para isso, temos que buscar desassorear naqueles pontos em que o rio já está bastante assoreado, para que o curso d’água tenha sua normalidade. E temos que procurar recuperar nascentes, nas cabeceiras dos rios, de tal forma que o rio possa ter um volume de água mais constante durante o ano, tenha mais água no período da seca e que no período da chuva haja um planejamento também para que a água possa escoar com mais velocidade, evitando as enchentes que muitas vezes ameaçam as pessoas que moram próximas às margens do rio. Então, são dois problemas emergenciais que nós vamos ter que encarar de frente.


Existem muitas outras coisas importantes que a cidade precisa e que a gente vem acompanhando. Acho que temos que consolidar o nosso Cefet, criar novos cursos, continuar investindo no nosso campus. Temos que fazer o laboratório de Mecânica, temos que fazer o ginásio poliesportivo, temos que buscar a criação de novos cursos, tenho lutado muito para criar o curso de técnico de Engenharia Ferroviária. Temos também a nossa Universidade Federal de São João del-Rei, temos que ampliar, consolidar, criar novos cursos. Já sonhamos inclusive com um novo campus da universidade, possivelmente na Cidade Tecnológica, temos que acompanhar todo esse processo e torcer para que novos cursos possam ser criados também, consolidando definitivamente Divinópolis como um pólo educacional dos mais importantes de Minas Gerais.


Na área da saúde, além de trabalhar no sentido de não permitir o fechamento do Hospital São João de Deus, temos muitas coisas a fazer ainda. Uma delas, mais rapidamente é o aumento do Hospital do Câncer, com o novo equipamento de radioterapia, permitindo que praticamente se dobre a capacidade do hospital. Que com equipamento de última geração a gente possa voltar a ter a qualidade no tratamento oncológico.


Precisamos dar sequência ao conjunto de investimentos para ajudar a melhorar a infraestrutura dos nossos bairros e ajudar a nossa cidade também a definir um novo e diversificado perfil econômico. Começamos a perceber que a era da siderúrgica também está ficando para trás. Estamos convivendo nesse momento com o fechamento de muitas empresas siderúrgicas e precisamos descobrir uma nova vocação para Divinópolis.


Já existe a vocação das confecções, que infelizmente têm enfrentado muitas dificuldades com o comércio internacional e a entrada de produtos chineses. A economia ela é muito melhor quando ela pode ser diversificada. Fica menos afetada pelas crises. Buscar novos tipos de indústrias, se possível indústrias de mais tecnologia para gerar empregos qualificados, de mais alta renda, da forma que possamos gerar oportunidades para os nossos jovens.


E um outro fator que preocupa muito nesse momento, sobre o qual eu tenho me debruçado, são as questões relativas à segurança pública. O cidadão anda amedrontado, anda acuado dentro de casa, quando um filho sai à rua você se preocupa muito se ele vai voltar em função da violência. Então essa é uma questão que precisa ser enfrentada de frente. Tenho procurado fazer os investimentos com recursos federais, mesmo nos nossos órgãos estaduais de segurança pública.


Mas a sociedade está cobrando uma ação também mais rigorosa no que diz respeito às leis. Eu tenho colhido assinaturas para uma proposta de emenda na Constituição que propõe a redução da maioridade penal. Mas quero discutir esse tema com muito equilíbrio. Tenho feito propostas para que, sobretudo, nossos promotores que atuam ou que atuaram na área criminal, bem como delegados e a própria OAB, nos ajudem na formatação de um texto, porque não acho que seja puramente reduzir a maioridade penal que vai sanar esse grave problema dos nossos adolescentes no crime. Temos que tratar de mudanças no Estatuto da Criança e do Adolescente, temos que tratar de mudanças no Código Penal, no Código de Processo Penal e na Lei de Execução Penal, para que a gente também não transforme esses adolescentes em grandes criminosos, na medida em que nós os colocamos no mesmo convívio. É uma situação de certo grau de complexidade, mas que a gente também está se debruçando sobre ela e espero que a gente possa também ter bons resultados nesse enfrentamento.

 

 

 

Por que os eleitores devem votar no Jaime Martins?
Na verdade, esses cinco mandatos representaram para mim um acúmulo de experiência e de relação e respeito com o Congresso Nacional que acho que são importantes para o exercício da função. Hoje eu conheço muito bem todos os mecanismos do governo federal. Me relaciono com pessoas de todos os governos, de todos os partidos e adquiri um respeito na Câmara que é um respeito que você leva anos para conseguir.


Nós convivemos com parlamentares de todos os partidos, de diversas regiões do país e hoje em qualquer ambiente que chego a gente passa a ser respeitado pelas posições que assumimos ao longo de todo esse tempo. Sempre uma postura de seriedade, de correção, de trabalhar sempre muito afinado com o interesse público e de certo buscar também os interesses, os recursos, de Divinópolis e de toda a região. A nossa força perante o governo do Estado, perante o governo federal e a presidente da República, vem exatamente dessa representatividade que a gente possa ter, do número de votos que nós recebemos.


Eu acho que é importante que a cidade faça uma concentração de votos do candidato ou dos candidatos que achar mais adequados, ao invés de fazer uma grande pulverização que ninguém teria representatividade para verdadeiramente falar em nome do município. Eu tenho tido o privilégio e a enorme satisfação, um grande orgulho, de receber uma grande confiança do povo de Divinópolis e das cidades onde eu sou votado.


Muitas delas eu alcanço percentuais superiores a 50% de intenção de voto, o que, para uma eleição proporcional, é algo magnífico, difícil até de se encontrar. Isso me dá muita alegria, porque são pessoas com quem eu convivo a vida inteira, que me conhecem, são pessoas que frequentaram escola comigo na minha infância, que conviveram comigo nos campinhos de futebol, que me conheceram nos clubes, de relacionamentos, da faculdade, do trabalho. Não é a toa que adotei como lema das minhas campanhas a palavra “confiança.”


Confiança é tudo, é essa relação bem resolvida de confiabilidade. Eu gosto de Divinópolis, gosto do povo de Divinópolis, gosto do povo da minha região, me identifico com eles e dedico a eles uma confiança sem tamanho. E sinto que isso tem sido verdadeiro para a maioria das pessoas, que também nos dedicam atenção, carinho. Cada vez eu sinto que tenho que me dedicar mais, com mais forças, com mais atenção, dando o melhor da minha capacidade e da minha força mental, espiritual e física para que as melhores coisas do mundo a gente possa conseguir para Divinópolis e para os municípios que tenho a honra e o privilégio de representar.


Nos preocupa muito a sucessão de escândalos públicos que a gente teve nos últimos anos. Isso tem feito com que a população muitas vezes pense em virar as costas para a política. E muitas vezes as pessoas tentam colocar os políticos na vala comum, como um dos corruptos, dos aproveitadores e dos oportunistas. A política é uma missão extremamente nobre, quando feita com caráter, com dignidade e com dedicação. A melhor maneira de protestar é votar bem. Não é anular o voto, nem cancelar, nem votar de qualquer maneira em uma pessoa que não simboliza aquilo que possa ser o melhor para o país.


A melhor maneira de votar é votar com consciência, em quem você confia, em quem você sabe que vai ter um comportamento correto, sério e que vai trabalhar por um país melhor, um Estado e um município melhor. Construção de uma sociedade mais justa, mais fraterna, com mais segurança.

Desses governantes que nós elegeremos agora no dia 5 de outubro é que vai surgir o Brasil que nós queremos. Então vamos dedicar um tempo da nossa vida, do nosso dia, pesquisar os melhores, formar opinião e dar o voto pensando nas futuras gerações. Esses homens é que terão a atribuição de construir o Brasil de amanhã, o Brasil de nossos filhos e o Brasil de nossos netos. Eu faço essa convocação para que todos os divinopolitanos e todos os mineiros participem ativamente desse processo eleitoral na tentativa de construirmos esse país que nós queremos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.