quinta-feira, 10 de Dezembro de 2015 12:55h Michèlle Canes – Repórter da Agência Brasil

Alckmin diz que "PT era o rei do impeachment" quando estava na oposição

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), voltou a afirmar hoje (10) que a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff não é um golpe

Segundo o governador, o processo é algo previsto na Constituição do país. Alckmin disse ainda que o PT é um dos partidos que mais solicitou a abertura de pedidos de impedimento de presidentes.“Eu vejo muita gente falando de golpe. Não, impeachment não é golpe. Aliás, o PT era o rei do impeachment, porque entrou com pedido de impeachment contra o Collor, contra o Itamar Franco e contra o Fernando Henrique. Só não entrou contra o Lula porque era do PT. Então, não. O impeachment é previsto na Constituição brasileira”.

Ao ser perguntado se é a favor do impeachment, o governador respondeu que o tema precisa ser debatido. “Eu acho que precisa ser discutido. Não sou jurista, mas acho que esse é um dever do Congresso analisá-lo”.

A declaração foi dada aos jornalistas logo após uma audiência no Supremo Tribunal Federal (STF) para a homologação de um acordo sobre gestão compartilhada da bacia do Rio Paraíba do Sul pelos governos do Rio de Janeiro, de São Paulo e Minas Gerais e a União.

Eduardo Cunha

O governador foi questionado também se o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deveria ser afastado do cargo. “Esse é um assunto interno da Câmara. Eu fui deputado federal e quando fui, dois deputados perderam o mandato por falta. Aliás, um de São Paulo e outro de Minas Gerais”, contou.

Alckmin foi perguntado sobre a decisão do ministro Luiz Edson Fachin, do STF, que suspendeu a tramitação do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff até a próxima semana. Na quarta-feira (16), o plenário da Corte deverá julgar pedido de liminar do PCdoB sobre a constitucionalidade da Lei 1.079/50, que regulamentou as normas do processo e julgamento do impeachment. A decisão do ministro impede a Câmara dos Deputados de instalar a comissão especial do impeachment até o Supremo se manifestar sobre a validade da lei.

Em relação ao tema, o governador paulista argumentou que é preciso aguardar a resposta da Corte.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.