terça-feira, 17 de Julho de 2012 15:31h Carla Mariela

Câmara Municipal de Divinópolis coloca piso tátil para deficientes visuais

Ontem, pela tarde, a servidora Andréa Martins, se pronunciou em relação à elaboração do piso tátio na Casa Legislativa de Divinópolis. Existe um Decreto Federal de 2.004, de número 5.296, que regulamentou a lei da acessibilidade 10.046 e 10.096. Essas leis e decretos determinam que os locais de uso público, devem ser adaptados a todas as deficiências. Sendo assim, a Câmara é um local que possui banheiros adaptados, tem elevador adaptado, tem a linguagem em braile, e agora vem com mais uma inovação que é a colocação do piso tátio. O intuito desse piso é permitir que as pessoas com deficiência visual utilizassem o espaço da Câmara com mais autonomia, com mais segurança e com melhor qualidade, uma vez que passarão a partir de agora a serem mais independentes na questão do direito de ir e vir.    

 


Conforme, Andréa Martins, na realidade, a colocação dessa pista era o que realmente faltava na Câmara, para a questão da adaptação. “O motivo da colocação desse piso foi o fato dos deficientes visuais quando chegavam à Câmara, eles tinham que pedir os porteiros para encaminhá-los para o direito humano ou no centro de atendimento ao cidadão, em qualquer parte que ele precisasse ir à Câmara, ele teria que pedir ajuda para alguém, ele precisava de uma pessoa para auxiliar. Com o piso tátio, ele não vai precisar mais, isso porque, o piso já vai levar ele. Se ele quer ir ao centro de atendimento ao cidadão, ele já vai saber como ir por meio do piso”, disse.

 


Ainda de acordo com Andréa Martins, esse piso dá o direito do deficiente de ir e vir com igualdade. Ele tem a liberdade de ir aos lugares que ele quiser dentro da Câmara Municipal. “A Casa Legislativa está sempre se adaptando, para que o acesso dos deficientes físicos seja facilitado. Nós temos os elevadores, nós temos os banheiros adaptados para os cadeirantes, nós temos a questão da interpretação das reuniões utilizando a língua dos sinais. O piso tátio veio para fechar o conjunto de acessibilidade que a Câmara necessitaria para que ela fosse realmente a Casa onde atendesse todos os cidadãos”, ressaltou.

 


Ela explicou que existe uma diferença no piso, na qual vai facilitar mais ainda para os deficientes físicos. “Há o piso direcional, ele vem na linha vertical e o piso conhecido como oi alerta, ele é cheio de bolinha, então na hora que o deficiente pisar ele vai sentir a diferença. O próprio piso condiciona mentalmente aonde o deficiente físico terá que ir. Ele vem, reconhece, e na hora que ele chegou no oi alerta, ele já saberá que se ele virar para a direita, ele vai sentido CDH, se ele virar para a esquerda, ele vai no sentido do direitos humanos, chegou no oi alerta perto dos direitos humanos, se ele virar já estará no elevador, porque nós temos o deficiente visual que tem ainda a mobilidade reduzida, que aciona o elevador para subir para o plenário”, destacou.

 


Na oportunidade, alguns deficientes visuais foram convidados para estarem na Câmara Municipal, hoje, para experimentar o piso e apresentarem suas opiniões e, além disso, testar esse benefício social.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.