terça-feira, 25 de Fevereiro de 2014 06:59h Atualizado em 25 de Fevereiro de 2014 às 07:06h. Carla Mariela

Câmara Municipal sedia Seminário sobre Diretas Já

Vereadores da casa legislativa de Divinópolis e alunos da Escola Estadual Joaquim Nabuco participaram ontem.

Vereadores da casa legislativa de Divinópolis e alunos da Escola Estadual Joaquim Nabuco participaram ontem, às 15h, de um seminário sobre asDiretas Já elaborado por sugestão da Diretoria de Comunicação da câmara em parceria com a Escola do Legislativo de Divinópolis "Dr. Deusdedith Afonso Carrilho".
Após a exibição de um vídeo sobre o movimento para os participantes, o presidente da “casa”, Rodrigo Kaboja (PSL), afirmou que em um país que a população volta às ruas para reivindicar os seus direitos e as melhores condições de vida, fica nítida que a mobilização popular ainda é a mais forte. Para ele, foi dessa forma que o direito da democracia foi conquistado com as Diretas Já.
Para Kaboja, o seminário foi importante para mostrar que existem pessoas que viveram e ajudaram a escrever aquele momento e muitas delas tornaram-se figuras proeminentes da sociedade ou são cidadãos que dão um valor diferenciado ao processo político por ter ajudado a conquistar a liberdade que se tem hoje e o direito a escolher seus representantes através do voto direto.
Conforme Kaboja, ele foi uma dessas pessoas que teve a oportunidade de acompanhar de perto a luta pela redemocratização do país. Para o vereador, foi justamente aquela vontade de fazer uma política nova, mais transparente e que pudesse através da legítima representação popular melhorar a cidade que se tornou candidato. “Tive a oportunidade histórica de ajudar a redigir a Lei Orgânica que é a lei mais importante de um município e estabelecer as novas bases de convivência social e política através da inspiração da Constituição Cidadã de 1988. O Poder Legislativo sempre foi à voz do cidadão e as Diretas Já foi um movimento que pregava o voto direto”, ressaltou.
Além de Kaboja, outro vereador que se pronunciou e teve esta experiência pela luta da democracia brasileira foi o parlamentar Adilson Quadros (PSDB).
Dr. Alberto Gigante, representante do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Centro Oeste (Sintram) que também participou do movimento abordou que fica alegre de ver a juventude no plenário e relembrou partes da história deste movimento. “Reviver a história principalmente quando ela contribui para que a nação, a cidade, estado, família e comunidade possam caminhar para frente é fundamental. Que vocês abracem de alguma forma a participação coletiva e atuação direta nas questões que possam melhorar a saúde, o ensino, para um Brasil melhor”, enfatizou.


Sobre as Diretas Já

Baseada nas informações da câmara (http://www.camaradiv.mg.gov.br/), o primeiro comício do movimento conhecido como Diretas Já, foi realizado na Praça da Sé, em São Paulo e completou 30 anos no dia 25 de janeiro. O comício foi um marco no processo de redemocratização brasileira.
Apesar de toda pressão popular, a campanha pelo voto direto para as eleições presidenciais foi frustrada pela rejeição na câmara dos deputados, diante da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) apelidada com o nome do autor do projeto, Dante Oliveira.
Este parlamentar queria alterar dois artigos da constituição de 1.967 para reintroduzir o voto direto na escolha para chefe do país. Mas, no mês de abril de 1984, por 22 votos, a matéria não passou. Com a rejeição da emenda, a saída foi a realização da eleição indireta para presidente da República em 1985.
Uma negociação interna resultou na escolha de Tancredo Neves para a disputa do cargo no lugar de Ulysses Guimarães. Entretanto, o político mineiro que se tornou uma das maiores lideranças das Diretas Já, que teve como vice, José Sarney nem chegou a tomar posse porque morreu em 21 de abril de 1985. Sarney foi quem tomou posse.
Ainda conforme as explicações, o sonho da retomada do voto direto para a presidência só seria possível em 1989, quando os brasileiros elegeram Fernando Collor de Mello.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.