terça-feira, 17 de Novembro de 2015 08:56h Atualizado em 17 de Novembro de 2015 às 08:59h. Jotha Lee

Câmara pode obrigar FCA a realizar manutenção da limpeza às margens da linha férrea

O volumoso tráfego de trens na área urbana de Divinópolis, após a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) ter assumido a Rede Ferroviária Federal, não foi o suficiente para que uma dos principais problemas relacionados aos trilhos urbanos fosse resolvido

Às margens da linha férrea, em praticamente todo o perímetro urbano, representam um grande perigo diante da falta de limpeza, possibilitando o crescimento de ervinhas daninhas e capim que atingem até a três metros de altura. O denso crescimento desse tipo de capim traz uma série de transtornos para a população. No inverno, são comuns as queimadas ao longo das margens da linha férrea como ferramenta de limpeza, enquanto nos outros períodos do ano, o capim denso esconde uma série de perigos, especialmente para quem reside às margens da ferrovia.
Em função da falta de limpeza, o trecho cortado pela ferrovia serve para esconderijo de marginais, principalmente arrombadores, que utilizam os trilhos como rota de fuga. Mais grave, ainda, é o pesado tráfico de drogas, comum em praticamente toda a extensão da ferrovia na área urbana. A Polícia Militar realiza batidas com frequência em todo o trecho, porém na maioria das vezes os traficantes conseguem a fuga protegidos pelo matagal.
A Ferrovia realiza limpeza periódica, mas não com a frequência necessária para manter a limpeza às margens da ferrovia. Regiões de bairros populosos, como Ponte Funda, Catalão, Maria Helena e Mangabeiras, e em parte da região Central, são as mais afetadas. Além do matagal, as margens da linha férrea não têm iluminação adequada, como é o caso da Rua Mateus Leme, no Ponte Funda, que tem apenas três postes de iluminação em uma extensão de quase um quilômetro.

 

LEI
Na tentativa de manter pelo menos a limpeza adequada às margens da ferrovia, a Câmara Municipal vota na sessão de hoje, projeto de autoria do vereador Edimar Félix (PROS), que em seu artigo 1º determina que “a empresa concessionária, detentora do direito de uso da faixa de domínio da Ferrovia que cruza a zona urbana, deverá manter a faixa de domínio limpa dentro do município de Divinópolis”.
Ainda de acordo com o projeto “A empresa concessionária, deverá proceder a limpeza de maneira sistemática, removendo o excesso do local, periodicamente, para que o local fique limpo durante todo o ano”.
O vereador Edimar Félix afirma que a iniciativa visa, sobretudo, a segurança e a saúde do cidadão. “Sabemos e visivelmente podemos notar que o entorno dos trilhos, é local de uso e venda de drogas, onde pessoas se escondem devido a falta de manutenção da faixa de domínio, que por desprezo da empresa concessionária, não faz a limpeza adequada”, garante. “Temos ainda o problema da saúde pública, que pela falta de limpeza da área de domínio que compreende 15 metros de cada lado do eixo da linha do trem, acumula muitos bichos como lagartos, caramujo africano, insetos, como pernilongos, baratas, percevejos, além de animais peçonhentos como cobras, aranhas e demais”, acrescenta.
Apesar da área compreendida pela passagem dos trilhos ser compreendida como “terreno federal”, o vereador assegura que a limpeza deve ser cobrada pelo município. “Sabemos que a faixa de domínio das ferrovias é regulamentada por Lei Federal, porém é de competência do legislativo, através de lei municipal própria, cobrar a limpeza e a conservação, uma vez que os prejudicados pela falta de manutenção são os cidadãos divinopolitanos”, finaliza.

 

Créditos: Liziane Ricardo/CMD

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.