sábado, 20 de Agosto de 2016 11:00h Jotha Lee

Candidatos a prefeito entregam declaração de bens com patrimônio informado de R$ 5,3 milhões

Candidato do PROS tem apoio da maior coligação partidária

Com o fim da instabilidade
do sistema de registro de candidaturas
do Tribunal Superior
Eleitoral (TSE), finalmente o
Tribunal Regional Eleitoral
(TRE) concluiu ontem a divulgação
da relação dos candidatos
a prefeito, vice-prefeito
e vereadores de Divinópolis.
São cinco chapas oficializadas
para a disputa do Executivo e
314 candidatos a uma cadeira
na Câmara Municipal, confirmando
informação antecipada
pelo Jornal Gazeta do Oeste.
Cada cadeira na Câmara será
disputada por 18,5 candidatos.
Os eleitos, tanto para o Legislativo
quanto para o Executivo,
assumirão os cargos em 1º de
janeiro de 2017 e ficarão nos
postos até 31 de dezembro de
2020. Os prefeitos eleitos não
poderão concorrer a um novo
mandato, já que a minirreforma
eleitoral acabou com a
reeleição.

Todas as candidaturas ainda
aguardam o deferimento
da Justiça. As candidaturas dos
cinco concorrentes ao Executivo
estão em análise pelo juiz
José Antônio Maciel, titular da
103ª Zona Eleitoral e também
precisam receber o parecer do
Ministério Público Eleitoral.

O vereador Marquinhos
Clementino, candidato a prefeito
pelo PROS, concorrerá
pela coligação Juntos Por Divinópolis,
que reúne o maior
número de partidos no atual
pleito (PROS, PMB, PPS, PSB,
PC do B, PT do B, PSC, PTC,
PRB, PEN e PSD). O candidato
a vice-prefeito é o empresário
Dênis Fagundes, 47 anos,
indicado pelo PPS. O tucano
Luís Militão concorre pela coligação
Por Uma Divinópolis
Melhor, a segunda maior dessa
campanha, formada por oito
partidos (PSDB, SD, PP, PTB,
DEM, PRTB, PR e PHS). O
candidato a vice na chapa é o
empresário Geraldo Barros, 63
anos, indicado pelo PR.

O candidato peemedebista
Galileu Teixeira Machado,
disputa o cargo pela coligação
Experiência e Trabalho Por
Divinópolis, formada pelos
partidos PMDB, PV, PDT e
PMN. O vice é o médico e ex-
-deputado estadual, Rinaldo
Valério, 60 anos, indicado pelo
PV. Já o petista Iris José de Almeida
concorre pela coligação
Divinópolis Digna Para todos,
formada por PT e PSDC. Seu
candidato a vice é o também
petista, professor Alisson Ferreira,
37 anos. O empresário
Jorge Torquato (PSOL) é o
único que disputa a eleição
sem coligação. Seu candidato
a vice é o pedreiro Mário Lúcio
de Oliveira, 52 anos, também
filiado ao PSOL.

 

PATRIMÔNIO

 

Os candidatos a prefeito
também já entregaram suas
declarações de bens e, juntos,
conforme o que foi informado
por cada concorrente à
Justiça Eleitoral, possuem um
patrimônio de R$ 5,3 milhões.
Galileu Machado se declara o
mais pobre, com patrimônio
avaliado em RF$ 200,7 mil.
Marquinhos Clementino é o
segundo com a menor conta
bancária. Ele declarou possuir
um patrimônio de R$ 256 mil.
Logo depois aparece Iris José
de Almeida, com patrimônio
declarado de R$ 319,3 mil.
Luís Militão declarou ter um
patrimônio de R$ 834,1 mil,
enquanto Jorge Torquato informou
possuir R$ 3,7 milhões
em bens.

A relação de bens do candidato
é uma exigência da legislação
eleitoral. Se eleito, ao deixar
o cargo, ele deve reapresentar a
prestação de contas. Esse é um
dos mecanismos para fiscalizar
possíveis enriquecimentos ilícitos
por parte de políticos em
cargos públicos eletivos.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.