terça-feira, 21 de Maio de 2013 10:30h Carla Mariela

Cefet de Minas luta por reconhecido do MEC como Universidade Tecnológica Federal

Segundo o deputado Jaime Martins, a batalha vem desde quando houve esta transformação no Cefet do Paraná

O deputado federal, Jaime Martins (PR/MG), ressaltou ontem, sobre a importância do Cefet de Minas Gerais e sua luta junto com o professor e diretor geral, Márcio Basílio, para que esta instituição seja reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC) como Universidade Tecnológica Federal. Eles já tiveram várias reuniões para tratar sobre o assunto e recentemente Martins esteve com professores do Cefet para atender demandas apontadas por estes.

De acordo com Jaime Martins, a sua defesa pelo Cefet de Minas é visível, principalmente porque ele é um cefetiano pela própria formação. Ele formou no Cefet como Técnico Químico Industrial, depois se formou como Engenheiro Mecânico. Entretanto, Martins deixou claro que conhece a instituição, sabe da sua importância, tem conhecimento sobre a sua história, sabe que o Cefet transformou a vida de várias pessoas para melhor.

Entretanto, ele afirmou que já existe uma indicação para transformação do Cefet em Universidade Tecnológica Federal. A indicação é de número 81 77/2006, que dá a possibilidade para novos trabalhos. “Já houve a transformação do Cefet do Paraná, em Universidade Tecnológica Federal, a qual tomou um determinado caminho se distanciando dos cursos técnicos privilegiando mais o ensino superior. Mas, hoje nós queremos transformar o Cefet de Minas Gerais também em Universidade Tecnológica Federal, mas com uma trajetória um pouco diferente, privilegiando também os cursos técnicos”, afirmou.

O Cefet não deixará de ser uma escola técnica poderá também crescer a nível de cursos superiores os quais deverão ser criados em todas as unidades. Vai estar certamente envolvido nos cursos de extensão, nos projetos de pesquisa, nos cursos de mestrado e doutorado. Toda essa composição vai dar para a instituição uma autonomia hoje tão necessária para a agilidade nas decisões e para que a instituição possa prestar um trabalho melhor do que esta já presta.
Segundo Martins a ideia é criar uma frente parlamentar mista de deputados e senadores no Congresso

Nacional para ocorrer à transformação do Cefet Minas e Cefet do Rio de Janeiro em Universidades Tecnológicas o mais rápido, com o poder de convencimento junto ao MEC. Para ele, esta mobilização pode passar também pelos municípios, pelas câmaras de vereadores, para criar um clima favorável entre as lideranças políticas para esta iniciativa.

Conforme Martins, ainda existe uma resistência vinda do Poder Executivo em relação a esta transformação, mas está sendo desenvolvido um trabalho de convencimento reunindo toda a bancada mineira de deputados federais, senadores, e também toda a bancada do Rio de Janeiro para que a transformação possa ser feita. De acordo com o deputado, muitas das decisões da república são tomadas por razão da política e se houver a união de Minas e Rio de Janeiro haverá o sucesso.
Sobre Márcio Basílio, ele salientou que é admirador de seu trabalho como diretor do Cefet, o qual tem dado prosseguimento a um trabalho de expansão, de consolidação da instituição também no interior.

“Desejo sucesso na sua gestão e sempre digo que o meu gabinete é uma extensão ao Cefet, que é um espaço que pensamos no Cefet 24 horas e estaremos sempre ajudando seja através de emendas de orçamentos individuais, seja por meio das emendas de bancada, ou através de gestão junto ao Executivo. Esta é uma causa de todos nós que gostamos do Cefet, que gostamos da educação e que queremos ter nas nossas cidades mais um campus de Universidade Federal com foco na tecnologia”, frisou.

Jaime Martins concluiu dizendo que há cinco anos ele fez este discurso em defesa da transformação do Cefet na Câmara dos Deputados, inclusive ontem ele esteve reunido com professores do Cefet para ouvir as demandas. Ele destacou que há uma resistência também por parte do MEC, mas que eles não vão parar a luta.

Ontem, na câmara, às14h, foi feito o lançamento da frente parlamentar. A frente prometeu levar ao Congresso Nacional o debate que pode significar o “nascimento” do campus universitário federal. O movimento é encabeçado pelo deputado federal Gabriel Guimarães (PT/MG), contando com a participação de deputados de Minas e do Rio de Janeiro com o objetivo de dialogar com o MEC para que a transformação aconteça.

Para Márcio Basílio, diretor do Cefet, o ensino técnico não vai desaparecer com a mudança, já que o modelo aplicado em Minas Gerais é verticalizado e sua continuidade não é possível sem a base do ensino médio. Conforme Basílio, os alunos do técnico são a grande matéria prima para a graduação e os alunos da graduação são a grande matéria prima que abastece o mestrado.

Embora o MEC tenha desvinculado os Cefets de Minas e do Rio da Sesu, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) reconhece os centros como Universidades Federais. De acordo com Basílio, a associação decidiu partilhar com as escolas os recursos recebidos do Governo Federal. Portanto, ele juntamente com Jaime Martins e outras lideranças políticas estão lutando para que haja este reconhecimento e transformação do Cefet.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.