sexta-feira, 31 de Maio de 2013 09:29h ALMG - Assessoria de imprensa

Convênios garantem preparação da base e evolução das seleções de basquete

a escola de basquete em Santo André, interior de São Paulo, para a WNBA – Liga Feminina de Basquete dos Estados Unidos. Damiris do Amaral é exemplo de que investimentos continuados em atletas brasileiros valem a pena. A jogadora de 20 anos, contemplada pelo programa Bolsa-Atleta do Ministério do Esporte, é da geração de jogadores que foi beneficiada pelo suporte federal por meio de convênios que o basquete brasileiro recebeu nos últimos anos.

Em 2013, os convênios visam a proporcionar às seleções brasileiras de basquete sub-19 e adulta, masculina e feminina, melhores condições de treinamento e estrutura em disputas internacionais. No sub-19, o projeto é ainda mais especial. A um degrau da equipe principal, os atletas contarão com período de preparação e acompanhamento técnico diferenciado durante toda a fase de competição, que servirá para a renovação da seleção principal.

Damiris sabe muito bem da importância do apoio. A jogadora fez parte da seleção sub-19 que conquistou a inédita medalha de bronze no Mundial de Basquete disputado no Chile em 2011, em que foi eleita a melhor jogadora (MVP) do campeonato. Na oportunidade, o suporte financeiro também foi garantido pelo governo federal por meio de convênio com a Confederação Brasileira de Basketball (CBB). “A seleção chegou ao Mundial com um bom ritmo, porque nós contamos com uma estrutura de treinamento muito boa dentro do país, e fizemos vários amistosos no exterior. Chegamos voando baixo. Até os adversários comentaram na época, reconhecendo que tivemos a oportunidade de treinar mais tempo juntas e mostrar entrosamento. Foi fundamental para subir ao pódio”, avalia a jogadora.

As primeiras jogadas de Damiris no basquete foram aos 13 anos. Aos 17, ela integrou pela primeira uma seleção brasileira. Agora, o próximo desafio é disputar a maior liga de basquete feminino do mundo, a WNBA. Damiris assinou contrato com uma equipe de Minnesota para jogar a temporada de 2014 nos Estados Unidos. Essa será a segunda experiência internacional da atleta, que em 2011 participou da temporada no time de Vigo, na Espanha.

Em 2013, os recursos federais garantem a participação brasileira feminina no Campeonato Mundial Sub-19, no mês de julho, em Vilnius, na Lituânia, e a masculina no Campeonato Mundial Sub-19 no mês de junho, na República Tcheca. Para as duas equipes principais, o convênio cobrirá o período de treinamentos físicos, táticos e técnicos em regime integral. No feminino, a equipe competirá no Campeonato Sul-Americano Feminino, Copa América Adulta de Seleções Femininas e no Campeonato Mundial Adulto Feminino, que será disputado entre os dias 27 de setembro e 5 de outubro em Istambul, na Turquia. Já a equipe masculina fará intercâmbio com jogos internacionais na Europa e participará da Copa América, entre os dias 14 de agosto e 2 de setembro, em Caracas, na Venezuela.

O presidente da CBB, Carlos Nunes, acrescenta que a preparação das equipes já começou. “Já temos seleções que viajaram para China e Estados Unidos para se preparar, visando às próximas competições internacionais. Os convênios dão totais condições para esses intercâmbios”, diz.

Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB)
A base do basquete nacional é outra grande beneficiada pelos convênios. No masculino, a parceria entre o Ministério do Esporte e a Liga Nacional de Basquete (LNB) garantiu a realização de três edições da Liga de Desenvolvimento de Basquete (LDB), para consolidar a competição voltada exclusivamente à nova geração da modalidade, na faixa etária de 19 a 22 anos. O campeonato de 2013 começa no dia 24 de junho.

Damiris ressalta que esse tipo de competição garante o amadurecimento dos jogadores brasileiros. “É um grande incentivo para a garotada que está começando, porque tem muitos jogadores que treinam com os adultos, até fazem alguns jogos na equipe principal de seus clubes, mas não é a mesma coisa que poder participar de um campeonato. Acho muito importante para o crescimento do atleta”, disse a jogadora, que hoje veste a camisa da seleção adulta de basquete.

Com investimento de R$ 4,6 milhões do Ministério do Esporte, a LDB tem seu foco no desenvolvimento da base do basquete nacional ao revelar talentos e abastecer as equipes que competem no Novo Basquete Brasil (NBB) e a seleção brasileira, de olho nos Jogos Olímpicos de 2016 e de 2020.

A LDB já colhe frutos. Oito jogadores da liga foram convocados para integrar a seleção brasileira de novos, composta por atletas de até 24 anos. A equipe passará por um período de treinamentos e disputará um Torneio Internacional na França, no início de julho. E também deverá auxiliar a preparação da seleção principal que, na Copa América, buscará vaga para o Mundial da Espanha.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.