terça-feira, 9 de Junho de 2015 14:10h Carolina Gonçalves - Repórter da Agência Brasil

CPI vai pedir retenção do passaporte de ex-representante da SBM Offshore

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, Hugo Motta (PMDB-PB), informou que vai pedir à Justiça a retenção do passaporte do empresário Júlio Faerman, ex-representante no Brasil da empresa holandesa SBM Offshore, para garantir que ele compareça à comissão após a homologação do acordo de delação premiada firmado por Faerman com o Ministério Público Federal (MPF). Motta tomou a decisão após integrantes da CPI terem levantado suspeita de que o empresário, que atualmente mora em Londres, não comparecerá a um novo depoimento, mesmo após Faerman ter dito que atenderá ao pedido da comissão.

“Toda vez que for convocado, eu vou estar aqui. Vou cumprir o que a lei manda”, garantiu Faerman. Essa foi a segunda convocação dele e a única a que compareceu, porém ficou em silêncio após ter conseguido habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF). Faerman disse que teme que alguma informação comprometa sua defesa ou prejudique o acordo de delação premiada firmado em maio. Faerman ainda explicou que é residente no Reino Unido, mas não tem cidadania europeia. O ex-representante da empresa holandesa afirmou que está contribuindo com os procuradores e explicou que o acordo de delação premiada ainda não foi homologado. Ao explicar as razões de não ter comparecido na primeira convocação feita pela CPI, em março, Faerman reiterou que não recebeu qualquer documento sobre a audiência. “Gostaria de esclarecer que, tão logo recebi a convocação [para o atual depoimento], coloquei-me à disposição das autoridades. Soube pela imprensa que havia sido convocado anteriormente, convocação que jamais recebi. Peço desculpas se esses fatos levaram à errônea impressão de que me negava a prestar depoimento”, afirmou.

Para minimizar reações de integrantes da CPI que acusaram a defesa de Faerman de adotar estratégia de “esperteza” para evitar o depoimento, o empresário disse que reconhece “os poderes investigatórios da comissão, que presta grandes serviços aos esclarecimentos dos fatos”, e acrescentou que tem “real intenção de colaborar com as investigações e com o trabalho dos parlamentares, mas de forma compatível com acordo de delação firmado”.

Faerman, que é acusado de agir como lobista e operador de propina paga a diretores da Petrobras no valor de mais de US$ 100 milhões em troca de favorecimento em contratos com a estatal, rechaçou as acusações. “Venho sendo equivocadamente identificado como lobista, algo que nunca fui”, disse o empresário, de 77 anos. Ele destacou que é formado em engenharia e que entrou na Petrobras em 1974 para participar de um curso de pós-graduação em engenharia de petróleo. Faerman contou que foi integrado ao quadro ao ser aprovado em segundo lugar em um concurso.

O empresário disse que deixou a estatal em função de problemas de saúde de seu filho e que, em 1975, fundou a empresa Cerpetro. Faerman explicou que a experiência no setor motivou o convite para que sua empresa se tornasse representante da SBM no Brasil. “Meus trabalhos resultaram em ganhos expressivos a Petrobras”, afirmou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.