quinta-feira, 30 de Abril de 2015 13:42h Yara Aquino - Repórter da Agência Brasil

CUT vai propor fim do fator previdenciário em fórum criado por Dilma Rousseff

Na reunião de hoje (30) da presidenta Dilma Rousseff com representantes de centrais sindicais foi assinado o decreto que cria o Fórum de Debates sobre Políticas de Trabalho, Renda, Emprego e Previdência

Após o encontro, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, disse que uma das prioridades da central, no fórum, será discutir o fim do fator previdenciário. “Vamos trazer nossa proposta e a primeira vai ser o fim do fator previdenciário. Apresentamos para a presidenta novamente a posição pela redução da jornada de trabalho sem redução de salário. Dissemos à presidenta que é importante também criar um fórum para discutir o direito de negociação do servidor público”, afirmou Freitas.

Um dos assuntos da reunião foi o projeto de lei que regulamenta a terceirização, em discussão no Congresso Nacional. O presidente da CUT disse que as centrais tem solicitado que o governo assuma uma posição firme contra a terceirização na atividade-fim, “O único sentido desse projeto é liberar a terceirização na atividade-fim. Sabemos que vai ser uma disputa muito grande na sociedade brasileira”.

As medidas provisórias 664 e 665 que alteram o acesso a benefícios trabalhistas e previdenciários como o seguro-desemprego, abono salarial e a pensão por morte também foram discutidos na reunião, segundo o presidente da CUT. "Na nossa avaliação as medidas [provisórias] 664 e 665 retiram direitos dos trabalhadores e a presidenta reafirmou hoje o compromisso de não retirar direitos. Ela não tem essa interpretação. Dilma acha que são apenas ajustes de distorções. Temos essas divergência", explicou. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, informou que o fórum representa o cumprimento de um compromisso de campanha da presidenta Dilma e terá o prazo de seis meses para apresentar propostas sobre temas como trabalho, renda, emprego e previdência social. “O fórum é um instrumento para avançarmos e não para aceitarmos um retrocesso naquilo que o país já construiu e que apresenta um estágio positivo para todos nós”, explicou. O fórum reunirá representantes de centrais sindicais, aposentados e pensionistas, empresários e do governo.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.