quarta-feira, 28 de Março de 2012 11:52h Atualizado em 28 de Março de 2012 às 12:00h. Carla Mariela

Debates acirrados no plenário

No encontro do Plenário Legislativo da cidade foram debatidos doze projetos que estavam em pauta, porém, dois projetos foram os mais polêmicos e fizeram com que as opiniões dos parlamentares ficassem divididas

A décima quinta Reunião na Casa Legislativa, que ocorreu ontem, às 14hs, fez com que os parlamentares que compõem as cadeiras no plenário tivessem suas opiniões divididas em relação aos projetos apresentados. No total eram doze projetos em pauta, sendo que dois deles geraram divergências entre eles.
Os projetos que causaram mais desentendimentos entre os parlamentares foram: o projeto de lei 18/2012, sendo que a Emenda está relacionada à autorização do Poder Executivo em abrir na Secretaria Municipal de Educação, o crédito especial no valor de R$309.000,00 e o outro projeto de lei 19/2012 que autoriza o Poder Executivo a abrir na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, o crédito especial no valor de R$10.000,00.
Durante o debate desses dois projetos, o vereador Hilton de Aguiar (PMDB), fez um pedido de sobrestamento de 30 dias, o parlamentar Beto Machado (PSDB) pediu para que Hilton reduzisse o pedido de sobrestamento, fazendo com que o debate acirasse ainda mais os ânimos dos parlamentares. Quando decidiram entrar em um consenso, o parlamentar Antônio Paduano (DEM), fez um pedido de ratificação do projeto ressaltando que a proposta teria que ter um pedido de vista somente até a próxima Reunião Ordinária.
A solicitação de sobrestamento ocorre da seguinte forma: aquele pedido de sobrestamento de menor prazo é o que vai prevalecer. No momento em que o presidente da Câmara, Anderson Saleme (PR), perguntou quem era contra ou a favor do sobrestamento solicitado por Hilton de Aguiar ou Antônio Paduano, houve um empate e prevaleceu a solicitação do parlamentar Antônio Paduano, pois como 5 vereadores votaram contra e 5 votaram a favor, o presidente Saleme deu o voto de desempate a favor do edil do DEM. Porém, quando Anderson questionou quem era a favor ou contra, ele pediu que os vereadores que fossem a favor ficassem assentados e os que fossem contra ficassem de pé. Os que foram contra, Adair Otaviano, Heloísa Cerri, Edson Sousa, Hilton de Aguiar e Roberto Bento, alegaram que a contagem estava errada e que a solicitação de Paduano havia sido rejeitada.
Dessa forma, o plenário se tornou cenário de discussão, uma vez que os parlamentares que votaram contra o pedido de vista, se revoltaram com o resultado final.
Dos doze projetos em pauta, incluindo os dois mais polêmicos, somente um foi aprovado,  de autoria do vereador Rodyson do Zé Milton (PSDB) relacionado à Rua B do bairro Jardim Capitão Silva, que receberá o nome do Frei Orlando, o restante dos projetos foram retirados, pois eram de autoria do vereador Edson Sousa (PSB) e ele vai fazer uma homenagem às famílias que terão o nome do seu ente querido em ruas da cidade, e conforme, Sousa, nada mais justo que a família estar presente na votação dos debates.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.