quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2015 13:17h André Richter - Enviado Especial da Agência Brasil

Defesa de sócios da Arxo nega pagamento de propina na BR Distribuidora

A defesa dos investigados da empresa Arxo, presos hoje (5) na nona fase da Operação Lava Jato, negou pagamento de propina para obter contratos com a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, conforme acusação do Ministério Público Federal (MPF)

Com sede em Santa Catarina, a empresa fabrica tanques de combustíveis e caminhões-tanque. As prisões ocorreram em Itajaí (SC). Foram presos Gilson Pereira, sócio da empresa, e Sérgio Ambrósio, diretor financeiro. Outro sócio está em viagem aos Estados Unidos e deve se apresentar à Polícia Federal em Curitiba amanhã (6).

De acordo com o advogado Charles Zimmemann, não houve pagamento de propina nos 12 anos em que a Arxo tem contratos com a Petrobras. "Lamentamos as prisões temporárias. Se tivéssemos sido chamados, colaboraríamos com a polícia, sem nenhum problema. Estamos esclarecendo e vamos resolver isso nas próximas horas", disse.

Esta manhã, cerca de 200 agentes federais e servidores da Receita Federal cumpriram 62 mandados judiciais em São Paulo, Santa Catarina, no Rio de Janeiro e na Bahia. Ao todo, foram 18 mandados de condução coercitiva, um de prisão preventiva, três de prisão temporária e 40 de busca e apreensão.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.