Deputado Cleitinho Azevedo diz que se prefeitos não podem proibir pessoas de pular carnaval também não podem proibir de trabalhar.

É hipocrisia dizer que a festa pode acontecer e depois fechar estabelecimentos que recebem um número muito menor de pessoas.

24 NOV 2021

Em vídeo postado em suas redes sociais o Deputado Estadual Cleitinho Azevedo, que deixou claro não ser contra o carnaval, questionou fala do Prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil que afirmou não ter como proibir as pessoas de pular carnaval mas proibiu as pessoas de trabalharem por longo período durante a pandemia do COVID 19.

O Deputado entende que o carnaval gera receita, arrecadação e renda para trabalhadores, mas o mesmo ocorre com o comércio, que é o “ganha pão” de muitos brasileiros e movimenta a economia do país. “É hipocrisia dizer que a festa pode acontecer e depois fechar estabelecimentos que recebem um número muito menor de pessoas se comparados a um bloco de carnaval” afirma Cleitinho, que no vídeo, faz um desafio a prefeitos e governadores: não fechem o comércio depois que a festa acabar.

Em 2019, último ano em que a folia aconteceu na capital mineira, cerca de 5 milhões de pessoas participaram da festa, alguns blocos chegaram a contabilizar quase um milhão de foliões desfilando. Dificilmente um estabelecimento comercial tem mais do que duas ou três pessoas ao mesmo tempo fazendo suas compras o que mostra uma grande ironia em se impedir o trabalhador de buscar seu sustento mas deixar que se aglomerem nas ruas para participar de uma festa.

 

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.