segunda-feira, 6 de Outubro de 2014 09:59h Atualizado em 6 de Outubro de 2014 às 10:53h. Simião Castro

Dilma e Aécio disputam o segundo turno

Marina Silva ficou em terceiro lugar e sinalizou apoio a Aécio. Luciana Genro tomou a quarta posição de Everaldo

Ficou para o segundo turno a decisão da presidência da república nas eleições deste ano. Depois de ficar por meses seguidos em segundo lugar em todas as pesquisas eleitorais – atrás de Dilma Rousseff (PT), em primeiro, e Marina Silva (PSB), em segundo – Aécio Neves (PSDB) conseguiu se garantir na segunda etapa da disputa presidencial. Na esteira dos resultados inesperados frente às pesquisas, Luciana Genro (PSOL) garantiu o quarto lugar na votação.
Isolada na frente dos levantamentos de intenção de votos durante toda a campanha e com a vantagem de estar no governo, Dilma, que recebeu quase 42% dos votos válidos, tem de enfrentar uma onda de “antipetismo”, reverberado com força nas redes sociais. Já Aécio, com quase 34% do eleitorado, vinha nos últimos meses em um tímido terceiro lugar, mas figurou reação meteórica, distanciando-se positivamente de Marina e aproximando-se de Dilma.
Dividindo a menor parte dos votos ficaram os demais sete candidatos, com Luciana Genro (PSOL)em quarto, à frente dos postulantes “nanicos” com 1,55% dos votos, o que contrariou os levantamentos feitos pelos institutos, que a colocavam abaixo da linha do 1% da parcela de eleitores. Pastor Everaldo (PSC), Eduardo Jorge (PV), Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) não chegaram a 1% dos votos.

 

 

 

 

Divinópolis
Repetindo a pontuação nacional, a maior parte do eleitorado divinopolitano votou em Dilma, com 57.302 votos, ou 43,27%. Aécio ficou em segundo com 43.479 votos, ou 36,67%. Marina ficou em terceiro com 19.663 votos, o que dá 16,58% dos votantes na cidade. Luciana Genro também fica em quarto – atingindo 1,83%, exatos 2.175 votos– seguida pelos outros candidatos, todos com menos de 1%.

 

 

 

Trajetórias
Dilma é mineira, de Belo Horizonte, e tem 66 anos. Morou por anos no Rio Grande do Sul, onde participou da criação do PDT, foi secretária municipal de Fazenda e estadual de Minas e Energia. Esteve à frentedo Ministério de Minas e Energia entre 2003 e 2005, depois assumiu a Casa Civil, onde ficou até 2010. Saiu de lá para tornar-se a primeira mulher eleita para a Presidência da República no Brasil, um marco para aquela que se orgulha de ter combatido o regime ditatorial durante os anos de intervenção militar.
Também nascido em BH, o senador, Aécio Neves, tem 54 anos e é neto do ex-presidente eleito, Tancredo Neves. Participou do movimento das "Diretas Já", no período do regime militar e, em 1986, iniciou sua trajetória no Congresso Nacional, como deputado por quatro mandatos seguidos. Filiou-se ao PSDB em 1989. Em 2002 foi eleito governador de Minas Gerais. Foi reeleito em 2006 e voltou para o Congresso como o senador em 2010.

 

 

 

Segundo turno
O tucano agora conta com sinalização de apoio de Marina Silva, que embora ainda não tenha sido expresso oficialmente, tende ao candidato. “O Brasil votou, em uma grande parte, contra aquilo que identifica como errado no atual governo. E votou também por uma mudança qualificada”, disse Marina. Ela disse, no entanto, que não vai tomar nenhuma decisão unilateral. “Nossos partidos haverão de se reunir individualmente, depois vamos nos unir coletivamente. Queremos que o nosso processo nos mantenha unidos”, declarou.
Aberto a alianças, Aécio disse em entrevista à Rede Globo que seu projeto de governo não é o desejo de um partido político ou de um grupo, mas daqueles que querem a melhoria de vida da população. “Todos aqueles que tiverem contribuições a dar a esse projeto são muito bem vindos.” Ele afirmou que não terá tempo de descanso “A partir de amanhã estamos já em campanha defendendo aquilo em que acreditamos.”
Em discurso de agradecimento, Dilma disse que tem a obrigação de valorizar principalmente os eleitores “anônimos”, os mais humildes, e que está otimista com os resultados até agora. “Mais uma vez o povo brasileiro me honrou com a sua confiança ao me dar a vitória nessa disputa do primeiro turno”. Para ela, os votos que recebeu são o melhor incentivo para o segundo turno. “Sinto-me fortemente como se deles eu tivesse recebido um recado simples. Um recado que diz que eu devo seguir em frente, que eu devo continuar nessa luta.”

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.