quinta-feira, 2 de Maio de 2013 12:17h Estado de Minas

Dilma promete luta constante contra inflação

 Brasília – A presidente Dilma Roussef utilizou o pronunciamento oficial na televisão para defender a política econômica do governo, assegurando que não vai permitir a retomada da inflação. Ela garantiu que o governo não vai “descuidar nunca do controle da inflação”. De acordo com a presidente, “esta é uma luta constante, imutável, permanente. Não abandonaremos jamais os pilares da nossa política econômica, que tem por base o crescimento sustentado e a estabilidade” .

Dilma também pediu apoio ao projeto que destina os recursos dos royalties do petróleo para investimentos em educação. “É importante que o Congresso Nacional aprove nossa proposta de destinar os recursos do petróleo para a educação. Peço a vocês que incentivem o seu deputado e o seu senador para que eles apoiem esta iniciativa”, afirmou a presidente. O Planalto terá que enviar uma nova proposta para o Congresso relacionada aos royalties. A medida provisória sobre a destinação dos recursos perde a validade em 16 de maio.

No pronunciamento, a presidente evitou entrar em polêmica. Ela não comentou a guerra entre o STF e o Congresso. Também não fez referência à PEC 37. Logo no início de sua fala, Dilma prometeu ampliar a oferta de emprego, salário e o poder de compra do trabalhador. “É por isso que nós, brasileiras e brasileiros, estamos tendo, nos últimos anos, a alegria de comemorar o 1º de Maio com recordes sucessivos no emprego, na valorização do salário e nas conquistas sociais dos trabalhadores”, afirmou. G

atilho Na festa do 1º de Maio em São Paulo, o governo Dilma foi representado no palanque organizado pelas centrais sindicais pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, que rebateu as críticas do senador Aécio Neves (PSDB-MG). “Não é verdade que a inflação vai subir. Teve um pico nos últimos meses e vocês sabem o motivo. A presidente Dilma zela como uma leoa contra a inflação”, afirmou ele.

Carvalho também rechaçou a proposta da Força Sindical de indexar os salários pela inflação. “Essa proposta, não temos condição nenhuma de aceitar", avisou. O ministro do Trabalho, Manoel Dias, também criticou a proposta de adoção de um gatilho para a recomposição dos salários . “Não considero hoje necessário. Isso pode estimular a inflação", afirmou o ministro. (Colaborou Maria Clara Prates)

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.