quinta-feira, 9 de Junho de 2016 17:04h Agência Brasil

Dilma visita obras em polo de alta tecnologia em Campinas

A presidenta afastada Dilma Rousseff fez hoje (9) a primeira viagem ao estado de São Paulo desde seu afastamento pelo processo de impeachment

Ela foi a Campinas (SP) visitar o canteiro de obras do projeto Sirius, do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, onde está sendo construído o acelerador de partículas com o maior brilho do mundo.

Dilma chegou por volta do meio dia e deixou o local às 13h, sem falar com a imprensa. Durante a visita, a presidenta afastada, acompanhada do ex-ministro Aloízio Mercadante, recebeu rosas vermelhas de funcionários do centro. No centro de pesquisa, além dos funcionários, também receberam Dilma representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), do PT, e do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), que a aplaudiram e levantaram bandeiras com frases de apoio. Na entrada da instituição, a presidenta afastada conversou com um grupo de universitários que seguravam cartazes em favor de cotas raciais.

Dilma viajou de Brasília a Campinas em um avião particular, já que o Planalto restringiu o uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) para seus deslocamentos. Após a visita, ela seguiu para almoço na casa do físico Rogério Cerqueira Leite, professor emérito da Universidade de Campinas (Unicamp).

 

 

 

Protesto

Manifestantes contrários a Dilma concentram-se desde as 11h30 em frente ao condomínio fechado onde está programado o almoço entre Dilma, professores e intelectuais. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 30 pessoas fazem um ato pacífico, bloqueado a Avenida João Paulo I, na cidade de Campinas.

 

 

Acelerador de partículas

O acelerador de elétrons em construção desde dezembro de 2014 têm grande importância no cenário científico mundial. De acordo com Antônio José Roque da Silva, diretor do projeto, o acelerador funciona como uma ponteira de laser, que cobre ultravioleta e, principalmente, Raio X. Isso gera radiação, com uma luz de altíssimo brilho.

“O acelerador pode penetrar materiais e investigar na escala dos átomos e das moléculas. Então, é um enorme microscópio que pode ajudar a investigar remédios, estrutura do cérebro, de tecidos, Zika, novas sementes e absorção de qualquer elemento por raízes”, explicou.

O projeto é financiado pelo Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação, com recurso de R$ 1,3 bilhão empenhado, o equivalente a um terço do necessário para a conclusão das obras. O orçamento é renovado anualmente. A previsão é que o acelerador comece a operar em 2019.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.