terça-feira, 8 de Outubro de 2013 05:09h Carla Mariela

Diretor da Funedi/UEMG protocola projeto de lei do Plano Diretor na Câmara

O presidente da casa legislativa de Divinópolis, Rodyson Kristnamurti (PSDB), recebeu ontem, às 17h30, o projeto final do Plano Diretor. Esta lei foi elaborada pela equipe técnica da Funedi/UEMG, contratada pela prefeitura para a revisão. A peça foi entre

O presidente da casa legislativa de Divinópolis, Rodyson Kristnamurti (PSDB), recebeu ontem, às 17h30, o projeto final do Plano Diretor. Esta lei foi elaborada pela equipe técnica da Funedi/UEMG, contratada pela prefeitura para a revisão. A peça foi entregue pelo prefeito Vladimir Azevedo (PSDB), ao lado do presidente da Funedi, o professor Gilson Soares. Após a entrega no plenário, o Plano Diretor, segue os trâmites normais e na sequência poderá ser apreciado pelos vereadores em plenário.
De acordo com Gilson Soares, a entrega do projeto de lei do Plano para a Câmara representa a atualização de uma situação que tinha que ter sido feita há dez anos. “Talvez não houvesse tantos problemas na cidade se nós já tivéssemos um Plano Diretor atualizado. Este momento de entrega do Plano para o Poder Legislativo é histórico”, afirmou. 
O prefeito Vladimir Azevedo ressaltou que o Plano é um marco no planejamento do município, principalmente, na ocupação territorial, na lógica da gestão ambiental, como também nas diretrizes para as áreas sociais, econômicas, enfim de governo como um todo.
Ainda conforme o gestor, a questão do saneamento inserido no Plano, por exemplo, está dentro da questão ambiental, mas acima de tudo ele tem um Plano traçado, uma vez que já está com a 1ª ETE, Estação de esgoto, da bacia Itapecerica/Pará. “O maior desafio deste Plano é perceber que Divinópolis cresceu em um processo de urbanização muito rápido, denso e de certa forma irregular. Temos loteamento na cidade dentro de córrego, falta de urbanização com distância de 140 quilômetros”, declarou.
O presidente Rodyson Kristnamurti, afirmou que o projeto tem uma alta complexidade e dessa forma não pode ser analisado de um dia para o outro. Para ele o Plano é muito importante.
Uma das coordenadoras da equipe técnica do Plano, Maria Antonieta, destacou que a elaboração deste Plano foi um processo de muito envolvimento dos diferentes segmentos locais e ela como coordenadora espera que o legislativo possa considerar todo o processo participativo e estará a disposição dos esclarecimentos necessários do que foi proposto.

Etapas do Plano


De acordo com o diretor, Gilson Soares, no mês de agosto do ano passado foi feita uma tentativa de conhecer em números, as vulnerabilidades, as questões que Divinópolis possui, quanto ao potencial positivo, e os aspectos negativos, ou seja, a realização de um diagnóstico.

Esse trabalho foi desenvolvido de agosto a novembro, com muitas atividades em campo, filmagem e entrevistas para completar o diagnóstico. Foi no início de dezembro que o diagnóstico foi fechado e o grupo representativo de cada região do município pôde ter conhecimento do mesmo para verificá-lo e completá-lo com itens que tivessem passado despercebido pela equipe do plano.

Com base no diagnóstico, foi proposto mais de cem diretrizes que devem nortear o desenvolvimento de Divinópolis tentando evitar os fatores que foram prejudicando a cidade ao longo do tempo. A equipe baseou na legislação do Estatuto da Cidade, nas legislações federais, estaduais e mesmo municipal.
A conferência da cidade ocorreu depois dos diagnósticos, e de acordo com o diretor foi um sucesso, uma vez que a população participou de maneira organizada, discutindo temas complexos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.