quarta-feira, 10 de Abril de 2013 09:56h Atualizado em 10 de Abril de 2013 às 10:24h. Carla Mariela

Diretor da UFSJ de Divinópolis solicita apoio para inserção de estagiários na saúde

Conforme o pronunciamento do parlamentar, Edimilson Andrade, as dificuldades de inserção estão ocorrendo a partir de convênios realizados pelo município com instituições particulares

O vereador Edimilson Andrade (PT), ressaltou durante seu pronunciamento em reunião ordinária, que se reuniu com o diretor e alunos da Universidade Federal São João Del Rey - Campus Dona Lindu em Divinópolis, momento em que o diretor pediu ao parlamentar que durante o encontro legislativo de ontem (09), fosse lido uma nota de repúdio sobre a dificuldade que a Universidade tem tido para inserir os alunos nos campos de práticas vinculados a secretaria municipal de Saúde do município.
A nota de repúdio apresentada pelo diretor da Universidade e lida no plenário relata que o diretor e os alunos estão insatisfeitos, uma vez que estas dificuldades para inserir os alunos passaram a ocorrer, a partir dos convênios realizados pelos municípios com as instituições particulares de ensino, o que compromete a qualidade da assistência à comunidade pela sobrecarga de alunos na área da saúde. Ainda baseada nas informações contidas na nota de repúdio, inúmeros profissionais da SEMUSA, não estariam contribuindo com a formação dos alunos, uma vez que recebem uma gratificação muito diferenciada de instituição particular, com o conhecimento da Prefeitura e que essa situação é nítida no Pronto Socorro Municipal, estendendo para toda a rede de assistência.
Conforme o vereador, Edimilson Andrade, a Universidade Federal em Divinópolis é o maior patrimônio que o município possui. Segundo o parlamentar, são inúmeras universidades, faculdades, que necessitam de estágios. “Aqui em Divinópolis a federal tem que ser privilegiada, pois nós ganhamos com esta federal, a vinda do curso de medicina e várias especialidades. Há a necessidade de um estágio não só em medicina, mas sim nas outras especializações. O que está acontecendo é que a concorrência com as faculdades particulares aumenta o valor. No Pronto Socorro Municipal, por exemplo, usa-se a estrutura pública, usa todo o recurso público para vender estágio para particulares. Se é para fazer convênio que faça com a federal que paga um valor de aproximadamente R$ 600,00 a esses médicos para ensinarem esses novos estagiários”, disse.
Ainda de acordo com Edimilson Andrade houve a expulsão dos estagiários do pronto socorro. “Eu estive lá no pronto socorro e cada sala tem quatro estagiários, mas são estagiários de faculdades de fora. Até mesmo dentro da secretaria há uma indisponibilidade dos profissionais de ensinar os novos que estão saindo da faculdade”, destacou.
Após o pronunciamento do vereador Edimilson Andrade, o presidente da câmara, Rodyson Kristnamurti (PSDB), solicitou que o presidente da comissão de saúde, Dr. Delano Santiago (PRTB) verificasse o que realmente estaria acontecendo e que se possível comparecesse até a prefeitura.
De acordo com o vereador Dr. Delano Santiago (PRTB), o parlamentar Edimilson Andrade já tinha explicado a situação para ele e como presidente da comissão de saúde já tinha informações concretas sobre o assunto. Ele disse que antes de se instalar qualquer projeto seja ele municipal, federal, é necessário que haja uma pesquisa de onde vai ser o campus de estudo. “Fizeram o seguinte, Divinópolis tinha 250 mil habitantes, precisava-se de instalar no município uma Universidade de medicina, então instalaram rapidamente. Criaram o campus Dona Lindu, uma faculdade de medicina. Mas, esqueceram que para fazer medicina precisa de tocar no ser humano, precisa de examinar o ser humano, além de ter um campus, só que ninguém pensou nisso. Pensaram sim nessa estrutura chamada São João de Deus, uma estrutura falida, porque não tem ali pessoas para acompanhar os estagiários. Colocaram 60 pessoas que estão formando agora e não tem estágios para eles. Isso não é um problema da prefeitura, isso é um problema principalmente do governo federal, uma vez que a universidade chama universidade federal”, destacou.
Ainda segundo Dr. Delano Santiago, o interesse municipal para que esses alunos estejam no Pronto Socorro é para ajudar na melhora da qualidade. “Agora não temos que culpar a prefeitura de não ter estágios, porque antes de se instalar a Universidade Federal, então que viesse a fiscalização do MEC para observar se tinha estrutura para finalizar os estudos desses jovens que serão os futuros médicos”, ressaltou.
Questionado se com a inauguração da UPA iria ter alguma melhora, o vereador respondeu que a inauguração da UPA vai ser mais um campus de estágio. “Para ser mais um campus de estágio é importante que a Universidade feche um contrato com o município, mas isso tudo tinha que ser uma coisa prevista”, relatou.
Durante a reunião, Dr. Delano Santiago se reuniu com os demais membros da comissão e com o secretário municipal de Saúde, Dárcio Abud, e segundo o vereador, o secretário Dárcio Abud, disse que não é de conhecimento da secretaria municipal de Saúde, a não compatibilidade de pagamento citada no pronunciamento do Edimilson Andrade. Adilson Quadros (PSDB) que faz parte da comissão afirmou após a reunião com o secretário que o município não expulsou nenhum dos alunos estagiários.
Edimilson Andrade relatou para a reportagem que se a situação não for resolvida vai se reunir com os alunos para decidir o que eles vão fazer, de preferência ir para a porta da prefeitura com cartazes, faixas, para se tentar resolver a situação.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.