quarta-feira, 9 de Abril de 2014 05:36h Atualizado em 9 de Abril de 2014 às 05:39h. Carla Mariela

Diretora do Sintram apresenta dados na câmara que contradizem índices apresentados pela prefeitura de Divinópolis

A diretora do Sindicato dos Trabalhadores Municipais (Sintram), Ivanete Ferreira, usou a tribuna livre ontem, às 14h, na câmara municipal de Divinópolis para defender os servidores municipais.

No discurso ela falou que os funcionários têm sofrido assédio moral por parte do Poder Executivo e comentou dados retirados do sistema do Tesouro Nacional que contradizem informações apresentados pela prefeitura, dentre outras questões.
De acordo com Ivanete Ferreira, a luta dos servidores municipais é para que todos os seus direitos sejam garantidos. Para ela, sem o trabalho destes servidores valorizados, a categoria é prejudicada. Ela informou ainda que diariamente os servidores estão convivendo com assédio moral e com repetitivos ataques da administração municipal. Além disso, segundo ela, o prefeito, Vladimir Azevedo (PSDB), não apresenta proposta que possam atender minimamente as classes dos trabalhadores, como por exemplo, o ajuste salarial, o concurso público, dentre outras pautas de reivindicação.
Ivanete Ferreira relatou que o Poder Executivo está abrindo uma guerra contra os servidores, tentando manchar a imagem do sindicato tanto com a imprensa, quanto com a população, com a distribuição de panfletos com dados que não são verdade. “Não aceitamos o tratamento que temos recebido do Executivo e não compactuamos com as inverdades ditas pela administração. Os chefes da Prefeitura estão assediando os trabalhadores que pararam para manifestar dizendo que vão cortar o ponto. Eles estão, também, assediando trabalhadores de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ermida, que vai ser a primeira UPA a funcionar como PSF, coagindo-os a assinarem um papel aceitando ou não as 8h de serviço. Ou seja, se eu prestei concurso para 6h, se eu quero continuar como 6h, eu não preciso assinar papel nenhum dizendo que eu quero continuar como 6h. Então eles estão coagindo as pessoas. O INPC, por exemplo, não é aumento é reposição de perdas”, esclareceu.
A diretora deixou claro que, baseado em dados retirados do sistema do Tesouro Nacional, a prefeitura de Divinópolis disse que a folha subiu 88%. Mas, na verdade a despesa bruta com o pessoal subiu 62,49%, sendo que, disso tudo, os contratos de terceirização subiram 59,70% e o pessoal ativo só 51,20%.
No final das contas, segundo Ivanete, a despesa total com o pessoal subiu 52.12% e a Prefeitura só subiu a arrecadação 48,17%. Esses dados são até agosto do ano passado, que é o que está inserido no sistema do Tesouro Nacional. “No último quadrimestre nós não temos nenhum dado ainda. Mas, o que eu quero dizer é que isso aqui não condiz com o que eles estão divulgando. Além do mais, esse mês um assessor do prefeito disse que o salário médio do trabalhador da prefeitura é de R$5 mil, mas não é. Pois é de R$3.135,38. 65,5% do pessoal ganha abaixo disso e é pago com 44,8% do dinheiro. O restante, 55,2%, é pago 34,5% dos trabalhadores, aqueles que possuem o salário mais alto”, enfatizou.
Sobre a reunião que teria ontem entre o prefeito e representantes do Sintram, Ivanete informou que não ocorreria mais. Esta reunião será feita hoje com a presença dos representantes tanto do Sintram, quanto do Simmtend. Após este encontro, no próximo dia 10 de abril, às 17h, haverá uma nova assembleia dos servidores no Sindicato dos Metalúrgicos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.