Domingos Sávio afirma ser a favor da flexibilização da Voz do Brasil, indiferente de Copa do Mundo

Muitos jogos da Copa do Mundo terão início às 19h, mesmo horário em que começa o tradicional programa A Voz do Brasil.

A 30 dias da abertura do mundial, o projeto de Lei 595/2003, que permite iniciar a transmissão do programa entre 19h e 22h ainda aguarda votação no plenário da Câmara dos Deputados e, caso aprovada, depende apenas de sanção presidencial.
O deputado federal, Domingos Sávio, é a favor da flexibilização, desde que não seja somente na Copa do Mundo. “Sempre me manifestei a favor, indiferente de Copa do Mundo. A flexibilização da Voz do Brasil, em minha opinião é um gesto de respeito à liberdade de escolha do cidadão. Na democracia, você não pode nunca tirar a liberdade de escolha das pessoas.”
Para o parlamentar, a Voz do Brasil é um instrumento de democracia, mas ficar exigindo que todas as rádios estejam, naquele mesmo horário, fornecendo esta informação, tira delas a possibilidade de transmitir um assunto que só pode ser tratado naquele horário. “A partida de futebol é um exemplo, é claro, mas não é somente a partida de futebol. Vamos dizer, por exemplo, um fato que ocorre nas grandes cidades principalmente, acontece um acidente ou uma situação grave que dificulta o trânsito, que coloca em risco a população em uma determinada área e as pessoas precisam ser informadas disso. Se você não pode usar o rádio para dar estas informações você prejudica a população. É claro que você deve dar esta opção para a rádio de que quando ela tiver uma justificativa de interesse público, ou algum evento ocorrendo naquele momento, ela possa optar por transmitir a Voz do Brasil em um outro horário. Não vai haver prejuízo nenhum.”
De acordo com Domingos, a Voz do Brasil, na sua grande maioria, é um programa que tem quase 100% do seu conteúdo gravado. “A Voz do Brasil tem os locutores que são os âncoras para fazer a transmissão ao vivo, mas as matérias – o que a presidente da república, os deputados, etc, falam –, são gravadas. Então ser transmitido às 19h ou às 21h não vai alterar na vida do brasileiro. Sou a favor que se flexibilize não somente por causa da Copa do Mundo, mas no sentido de que toda vez que tiver um assunto de interesse da comunidade, aquela rádio possa anunciar”, ressalta.

 

 

Brasil do dia a dia
Para o deputado federal, o Brasil precisa ser tratado de forma igual com ou sem Copa do Mundo. “Precisamos compreender que determinadas coisas devem ser tratadas sem ficarmos achando que existe um Brasil para Copa do Mundo e outro Brasil no dia a dia. Pelo menos para mim o Brasil do dia a dia é mais importante. Esse é o nosso país, é a nossa realidade.”
Domingos é contra algumas medidas governamentais que serão tomadas para atuar somente durante a Copa do Mundo. “Vejo algumas questões sendo tratadas que me deixam muito triste e até revoltado como, por exemplo, o governo federal dizendo que agora vai fazer um plano de emergência nas fronteiras do Brasil para evitar a entrada de armas e drogas durante a Copa do Mundo. Ora é uma vergonha você dizer que durante a Copa do Mundo não pode, mas parece que depois pode”, desabafa.

 

 

Flexibilização
A campanha para a flexibilização do programa A Voz do Brasil foi lançada pela Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). A campanha mobiliza a sociedade com um abaixo-assinado eletrônico pela aprovação do Projeto de Lei 595/2003, que permite iniciar a transmissão do programa entre 19h e 22h.  A proposta aguarda votação no plenário da Câmara dos Deputados e, caso aprovada, depende apenas de sanção presidencial.
A flexibilização amplia o tempo de transmissão do programa e oferece alternativas ao ouvinte que não consegue ouvir o programa às 19h. A medida permite, por exemplo, que a população tenha acesso a informações sobre o trânsito no horário de rush, dentre outros assuntos de seu interesse. Durante a Copa do Mundo, por exemplo, cerca de um terço dos jogos será às 19h. Sem flexibilização, o rádio não pode transmitir as partidas e informar sobre trânsito e manifestações nas redondezas dos estádios.
De acordo com pesquisa Datafolha, divulgada pela Abert, 68% dos brasileiros são favoráveis à mudança, enquanto 26% se posicionam contrários. Caso o horário de transmissão seja ampliado, a audiência aumentaria até 13 pontos percentuais, já que 22% declaram que passariam a ouvir mais a Voz do Brasil, conforme o levantamento. Desta forma, haveria um provável encolhimento do grupo de não ouvintes, que cairia dos atuais 59% para 51%.

 

 

A Voz do Brasil
Quando A Voz do Brasil foi instituída, em 1935, havia 41 emissoras comerciais no país. Nos últimos 79 anos, os governos ampliaram sua rede de comunicação com o cidadão. Apenas a rede de radiodifusão governamental dispõe de 667 emissoras de rádio e TV. Além disso, existem 4619 emissoras comerciais no país e 4970 educativas e comunitárias, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Olho: “Precisamos compreender que determinadas coisas devem ser tratadas sem ficarmos achando que existe um Brasil para Copa do Mundo e outro Brasil no dia a dia. Pelo menos para mim o Brasil do dia a dia é mais importante. Esse é o nosso país, é a nossa realidade.”

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.