terça-feira, 9 de Setembro de 2014 05:57h Atualizado em 9 de Setembro de 2014 às 06:01h. Jotha Lee

Domingos Sávio lidera arrecadação de campanha em Divinópolis

Jaime Martins e Ângelo Roncalli são os maiores gastadores até agora

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou a segunda parcial das prestações de contas dos candidatos, comitês financeiros e partidos políticos referente às Eleições 2014. Essa prestação deve conter a discriminação dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro que foram arrecadados para financiamento da campanha eleitoral e também os gastos realizados até o momento, com o detalhamento dos doadores e fornecedores, incluindo as informações que já foram prestadas na primeira parcial.
Segundo a Lei das Eleições, a ausência de prestação de contas parcial caracteriza grave omissão de informação do candidato, que poderá repercutir na regularidade das contas finais. Até ontem à tarde o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Minas Gerais ainda não havia divulgado um balanço da segunda parcial da prestação de contas no Estado. Na primeira parcial, das 1.873 prestações de contas esperadas, o TRE recebeu 1.458. Nesta segunda parcial fica mais nítida a participação de doadores que com frequência participam e vencem processos licitatórios, especialmente empreiteiras, que costumeiramente executam obras e serviços para o serviço público.
Candidatos com base eleitoral em Divinópolis receberam doações das empreiteiras BRZ Construções e Empreendimentos, Construtora Norberto Odebrecht e RDR Engenharia. A Cooperativa Agropecuária também aparece na lista de doadores, porém a maioria absoluta dos candidatos está utilizando recursos próprios para financiamento da campanha.

 

 

 

 

MAIOR ARRECADADOR
O deputado federal, Domingos Sávio (PSDB), que tenta sua primeira reeleição, foi o candidato que mais arrecadou até agora, conseguindo R$ 652,4 mil. Os maiores gastos foram para a campanha de Jaime Martins (PSD), que busca sua sexta reeleição consecutiva, que até agora já gastou na campanha R$ 734,2 mil, mais de 200% acima da receita, já sua arrecadação até esta segunda parcial ficou em R$ 201,9 mil.
Entre os candidatos a deputado estadual com base na cidade, o maior arrecadador até a segunda parcial foi Fabiano Tolentino (PPS), que tenta sua primeira reeleição, com R$ 131,4 mil. Ângelo Roncalli (PR) foi o que mais gastou, com R$ 249,8 mil.
Os dois candidatos ao governo de Minas que polarizam a preferência do eleitor, juntos, já arrecadaram mais de R$ 17,6 milhões. Pimenta da Veiga, que tenta manter o PSDB no poder em Minas, já arrecadou R$ 12,3 milhões, mais que o dobro do candidato petista, Fernando Pimentel, que lidera as pesquisas de intenção de votos, que até a segunda parcial conseguiu R$ 5,3 milhões. Os gastos do tucano também estão muito acima do petista. Pimenta da Veiga já torrou na campanha R$ 11,9 milhões, enquanto Fernando Pimentel consumiu R$ 6,1 milhões.
Os candidatos com base eleitoral na cidade – cinco a federal e oito a estadual –, juntos, já gastaram até agora na campanha R$ 1.561.948,78. A arrecadação total ficou bem abaixo dos gastos, já que até agora os 13 concorrentes conseguiram R$ 1.260.598,00 em doações, a maior parte desse valor vinda das próprias contas bancárias.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.